As nações mais felizes do mundo

Por , em 24.12.2012

Já não é segredo que pessoas ricas não são necessariamente felizes e, pelo visto, o mesmo princípio vale para nações: uma enquete realizada pela empresa Gallup colocou sete países em desenvolvimento da América Latina entre os mais “felizes” do mundo.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores da Gallup entrevistaram cerca de mil pessoas de cada um dos 148 países participantes. A enquete foi realizada por telefone, e o entrevistado tinha de responder sobre experiências que vivenciou no dia anterior – tal como “sentir-se respeitado”, “sorrir bastante”, “aprender ou realizar algo interessante” ou “descansar bem”.

Os paraguaios e panamenhos foram os que mais responderam “sim” às questões (85%); já os brasileiros responderam “sim” em média 72%. No topo do ranking também estão Venezuela e El Salvador, seguidos por Trinidade e Tobago, Tailândia, Guatemala, Filipinas, Equador e Costa Rica – ou seja, nenhum país com uma economia especialmente robusta (nações mais “ricas”, como Estados Unidos, Inglaterra e França, ficaram mais no meio).

De acordo com informações divulgadas pela Associated Press, alguns latino-americanos disseram que a enquete tocou em um aspecto fundamental da cultura de seus países: o hábito de focar em coisas boas, como amigos, família e religião, a despeito das dificuldades da vida diária.

Tristes nações

Entre as nações consideradas menos “felizes” estão aquelas em situação de guerra, como Iraque e Afeganistão, ou que passam por instabilidade política ou étnica, como Sérvia, Bielorússia e Azerbaijão.

No “fundo” da enquete está Cingapura, com apenas 46% de respostas positivas – mesmo com sua economia próspera e impressionante PIB per capita. “Nós trabalhamos como condenados e somos pagos com uma mixaria”, desabafa o empresário Richard Low, que vive em Cingapura. “Quase não há tempo para feriados ou apenas para relaxar porque você está sempre pensando à frente: quando é a próxima reunião ou termina o próximo prazo. Quase não há um equilíbrio entre vida e trabalho aqui”.

Houve quem considerasse a pesquisa imprecisa, em parte porque muita gente pode ter respondido positivamente para passar uma imagem boa, mesmo que isso não refletisse a realidade. Além disso, muitas residências não têm telefone fixo, seja em favor do celular ou por falta de recursos mesmo (o que deixaria de fora pessoas em condições de vida mais precárias).

Alguns críticos consideram, ainda, que a pesquisa não mediu a “felicidade” das nações, mas sim a tendência cultural de cada uma em relação à expressão de sentimentos – positivos ou negativos. Para Jon Clifton, da Gallup, contudo, os resultados não devem ser subestimados. “Essas expressões são uma realidade, e é exatamente isso o que estamos tentando quantificar”, explica. “Eu acredito que há emoções positivas maiores naqueles países [do topo do ranking]”.[Gallup] [LiveScience] [Associated Press]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

6 comentários

  • well go:

    Acho que tem muito mais coisas que refletem o bem estar e o ser feliz na pesquisa, veja bem: sou aposentado e cada dia que passa menos coisas consigo comprar com os meus rendimentos, que só diminuem e os preços só aumentam.
    Como as pessoas podem ser felizes neste país ??

  • Wander Garcia:

    O título deste texto deveria ser:
    “AS NACOES POBRES MAIS FELIZES DO MUNDO”.
    Porque aqui além de Singapura (o único pais rico na enquete) o restante pertence ao grupo de paises pobres. A comunidade Europeia, os EUA, o Canada, a Australia, e outros paises ricos não são comentados nestes texto.

  • kid redman:

    a base de tudo é o equilíbrio… esse é o “velho truque índio”

  • Orlando Rios:

    Isto vem provar o que todos sabem:
    Qto maior os bens ou a riqueza, maior o materialismo e maior as preocupações em guardar, salvar ou aumentar este patrimonio, maior o egoismo e o orgulho, o que leva ao sofrimento.

    O pobre preocupa-se menos ou tem baixa expectativa ou espera menos, então é mais feliz, naturalmente.

    Isto prova uma coisa, seres humanos não sabem ser felizes, pois, teoricamente, uma maior riqueza deveria levar a um maior nivel de felicidade e o que se evidencia é exatamente o contrario. Ajuda muito estar triste ou doente em Paris.

    O que se evidencia é que a causa do sofrimento é o egoismo inerente a especie humana, pois um rico que distribui benesses é mais feliz que um rico egoista e centralizador. Devemos aprender a usar nossos bens em favor de outros pois ao doarmos algo a alguem estamos recebendo algo em troca que dinheiro nenhum consegue comprar ou produzir: Felicidade.

  • Helder Mafra:

    entre deus o dinheiro e a humanidade….quais dos três você investia para um equilíbrio perfeito da existência no mundo todo..

    • Orlando Rios:

      Investo nos três em proporções mais ou menos iguais. Investir em apenas um é burrice, pois sou feliz com Deus, alias muito feliz, gosto de gastar meu dinheiro suado que ganho com meu trabalho e me preocupo com a parte social fazendo trabalhos sociais ou ajudando outros.

Deixe seu comentário!