Cientistas rebatem teoria da partícula “mais rápida que a luz”

Por , em 24.10.2011

Há três semanas, um grupo de cientistas italianos acendeu uma grande discussão no meio científico ao afirmar que conseguiram fazer uma partícula se locomover em uma velocidade superior à da luz, o que revolucionaria o mundo da física. Mas essa descoberta não está passando sem contestação: pesquisadores holandeses garantem que pode ter havido erro na medida de velocidade dos italianos.

Tais objetos, supostamente mais rápidos que a luz, seriam os neutrinos, partículas subatômicas que não possuem carga elétrica. A descoberta foi feita no projeto OPERA, que usou um mecanismo relativamente novo para medir uma velocidade tão alta.

O equipamento utilizado foi um GPS, que emitia sinais indicando a localização das partículas em cada fração de segundo. Este GPS foi acoplado a um poderoso cronômetro, para medir o tempo que neutrinos levavam para chegar da Suíça à Itália.

Os neutrinos saíram do célebre laboratório CERN, no limite suíço com a França, e percorreram 731 quilômetros até chegar no Centro de Pesquisas Gran Sasso, em Roma.

O anúncio foi bombástico: os neutrinos teriam atingido o ponto final com cerca de 60 nanossegundos de vantagem em relação a um raio de luz. Em outras palavras, 1,000025 mais rápido. Imediatamente, os italianos convidaram a comunidade científica a conferir a validade do experimento.

E foi isso que cientistas da Universidade de Groningen, na Holanda, resolveram fazer. Segundo eles, há uma falha no cálculo dos italianos: o GPS está instalado em um satélite, portanto, está em movimento. Eles apontam que os italianos desconsideraram esse quesito na hora da medição, o que teria gerado um erro.

Como explicam os pesquisadores da Holanda, o satélite onde o GPS está instalado percorre a órbita terrestre no sentido oeste-leste, ou seja, na mesma direção do trajeto dos neutrinos. O pequeno espaço de tempo que os neutrinos levaram para viajar foi simultâneo a um leve deslocamento do satélite. Logo, o sinal de partida não foi emitido exatamente no mesmo lugar do que o de chegada.

Esse desconto no resultado final, dessa forma, deveria fazer o resultado ser inferior. Mais precisamente, 64 nanossegundos mais lento, o que faz a luz superar novamente os neutrinos por apenas 4 nanossegundos.

No acalorado debate científico em torno do tema, os italianos já deram sua resposta. Segundo cientistas do OPERA, esse argumento é inválido porque os holandeses estão usando padrões terrestres, através do método de medição de ondas de rádio, para calcular uma velocidade exposta em termos de Relatividade Espacial, teoria formulada por Albert Einstein.

Além disso, tais conceitos de relatividade já estão instalados automaticamente no sinal de GPS proveniente do satélite. Isso garante, de acordo com o OPERA, que essa diferença já esteja embutida no cálculo final. A falha, dessa forma, seria dos pesquisadores de Groningen, que tentaram aplicar leis da física na Terra para medir a interação com o espaço.

A tréplica dos holandeses também já foi publicada. Eles explicam que o cálculo foi feito de maneira simples considerando a distância entre dois pontos, e a velocidade relativa não se aplica da maneira como os italianos explicam, especificamente para esse experimento.

E segue o debate. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

38 comentários

  • Elizeu Moreschi:

    Eu penso que a eletricidade é mais veloz que a luz.

    • Bud (Rafael) Budaibes:

      E eu penso que um cavaleiro do Zodíaco é mais rápido que a eletricidade…… logo…

  • Vitor:

    O que me preocupa e é quase piada o parágrafo:A tréplica dos holandeses também já foi publicada. Eles explicam que o cálculo foi feito de maneira simples considerando a distância entre dois pontos, e a velocidade relativa não se aplica da maneira como os italianos explicam, especificamente para esse experimento.
    Um grupo de cientistas faría isso em experimentos desse nível……foi feito de maneira simples????????
    Estranho!

  • jops:

    O neutrino é uma partícula subatômica sem carga elétrica e que interage com outras partículas apenas por meio da interação gravitacional e da fraca (duas das quatro interações fundamentais da Natureza, ao lado da eletromagnética e da forte)[1]. É conhecido por suas características extremas: é extremamente leve (algumas centenas de vezes mais leve que o elétron[2][3]), existe com enorme abundância (é a segunda partícula mais abundante do Universo conhecido, depois do fóton) e interage com a matéria de forma extremamente débil (cerca de 65 bilhões de neutrinos atravessam cada centímetro quadrado da superfície da Terra voltada para o Sol a cada segundo)[4].

    • Adler:

      Poderiam os EUA fazerem uma bomba neutrinica?

  • jops:

    para ficar mais facil tai ó_O neutrino é uma partícula subatômica sem carga elétrica e que interage com outras partículas apenas por meio da interação gravitacional e da fraca (duas das quatro interações fundamentais da Natureza, ao lado da eletromagnética e da forte)[1]. É conhecido por suas características extremas: é extremamente leve (algumas centenas de vezes mais leve que o elétron[2][3]), existe com enorme abundância (é a segunda partícula mais abundante do Universo conhecido, depois do fóton) e interage com a matéria de forma extremamente débil (cerca de 65 bilhões de neutrinos atravessam cada centímetro quadrado da superfície da Terra voltada para o Sol a cada segundo)[4].____LUZ Um raio de luz é a representação da trajetória da luz em determinado espaço, e sua representação indica de onde a luz sai (fonte) e para onde ela se dirige. O conceito de raio de luz foi introduzido por Alhazen. Propagando-se em meio homogéneo, a luz percorre sempre trajetórias retilíneas; somente em meios não-homogêneos é que a luz pode descrever trajetórias curvas.

  • Henrique Gil:

    Graaande presente de aniversário para mim!
    adoro esses assuntos e estou animado com o debate sobre os neutrinos!

    abçs

  • Jonas Paulo Negreiros:

    Esquecendo-se da matemática e observando-se o problema apenas pelo lado físico, isto é, conservação de energia e geometria, tudo aponta para uma redução da velocidade dos neutrinos:

    – O alvo fica num raio maior que o canhão. Nessa trajetória espera-se ganho de energia potencial e perda de energia cinética (velocidade);

    – Efeito Coriolis: A velocidade transversal do alvo é maior que a velocidade transversal do canhão.

    – A trajetória do neutrino não pode ser reta; ela deve ser curva a fim de compensar a gravidade e movimento terrestres. O percurso é maior e o tempo de viagem é maior.

    • Jonas Paulo Negreiros:

      Canhão
      V1 = [6300000 m x cos46] x 2 x pi / 24 x 3600 s = 318,256 m/s

      Alvo
      V2 = [6300000 m x cos42] x 2 x pi / 24 x 3600 x = 340,471 m/s

      Diferença de velocidade = 340,471 m/s – 318,256 m/s = 22,215 m/s

      Diferença de velocidade em relação aos paralalelos terrestres

      22,215 m/s x cos45 = 15,708 m/s

      Diferença de velociade em relaçao aos meridianos terrestres

      22,215 m/s x cos45 = 15,708 m/s

      Diferença total de velocidades = sqr(15,708^2 + 15,708^2) = 22,215 m/s

      Pergunta:

      A diferença de espaço na Itália foi de aproximadamente 20 metros

      Velocidade = espaço ???

  • enejonas:

    bom, acho que se passaram uns 100 anos para alguem contestar de forma concreta einstein.é a evolução da ciencia :uns erram para outros quase errar , quase acertar e outros estarem quase certos.da mesma forma que a fisica dele era(é) suprema, outros virão criarão uma nova ciencia e a mesma coisa irá acontecer com eles.

  • Rafael:

    Galerinha… muitíssimo cuidado ao dizer que tal grupo não sabe relatividade ou que estão cometendo erros grosseiros que somente bloggeiros e a massa da internet poderia resolver.

    Muita calma nessa hora. São pessoas com comprovadíssima excelência acadêmica.

    Se alguém aqui tiver uma ideia brilhante ou uma conclusão óbvia, acho muito mais relevante escrever um artigo de divulgação internacional do que postar aqui como verdade óbvia.

    • Jonas Paulo Negreiros:

      Rafael, você tem razão.Mas foram os diretores do CERN tornaram o assunto público, quando convocaram a Imprensa para notificar o fato. Eles poderiam muito bem resolver essa questão apenas entre a comunidade científica, sem alarde.
      Quanto a competência dos cientistas do CERN, não podemos questionar. Mas o experimento é tocado por uma equipe de 160 pessoas, das mais diversas especialidades. Um errinho interdisciplinar é plausível.Mas como todo assunto polêmico, muitos gostam de arriscar um palpite. No fim desse episódio, todos nós entenderemos um pouco mais de física.

  • Jonatas:

    E a corrida continua…. fótons lideram desde a relatividade, os neutrinos entram na disputa pela primeira posição e os fótons recuperam a liderança, ta cabeça a cabeça… vão que vão, fóton, neutrino, fóton, neutrino, fóton, neutrino, fóton

  • Romário Huebra:

    “se existe uma chance dar errado, pode ter certeza qe vai dar errado”

  • Deep:

    Consultem as teorias de um certo João Magueijo… Ele advoga a possibilidade – contrária aos postulados de Einstein – de a velocidade da luz poder ser superada, em determinadas condições.

    Interessante!

  • JM:

    A caganeira é sempre a mais rápida… não dá tempo nem de acender a luz…

  • Cesar:

    Para quem está a fim de testar os próprios conhecimentos de relatividade e física clássica, vários artigos sobre o assunto foram publicados no ArXiv.org. Fiz uma consulta baseada na palavra “OPERA”:

    http://arxiv.org/find/all/1/all:+opera/0/1/0/all/0/1

    O artigo original do grupo OPERA pode ser lido aqui:
    http://arxiv.org/abs/1109.4897

  • Rock:

    Comentário perfeito em sua capacidade de síntese de uma idéia em poucas linhas.Alem disto, confirmando experimento datado da decada de 1950:
    http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=velocidade-gravidade-maior-velocidade-luz&id=010130111012

    Este outro
    http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=campo-eletromagnetico-altera-velocidade-luz&id=010115110513

    E este que desafia as “proibições” da relatividade
    http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=particulas-superluminais-podem-viajar-mais-rapido-do-que-a-velocidade-da-luz&id=010110080902

    Vou parar por aqui

    • Rock:

      Censuraram o comentario do Blah a que este era associado.Ora de tirar o time de campo

    • Rock:

      HORA.

  • Campos:

    Velocedade da luz.
    O que é a velocidade da luz? A luz se transmite no vácuo do universo, a uma velocidade aproximada de 300.000 Km/s, na água seria de 225.000Km/s, no vidro de 200.000Km/s e no diamante de 125.000km/s, etc. Sabemos que o vácuo perfeito ou absoluto não existe em nosso universo. O vácuo é relativo, isto é: existem matérias em baixa pressão e em muito baixa pressão no universo e o fóton sofre influencia da densidade. A gravidade influencia na densidade, pois pode concentrar partículas em um meio, com mais ou menos densidade (“leis físicas podem variar ao longo do universo”). Sendo assim, é possivel que na periferia do universo, onde a densidade e agravidade sejam praticamente zero, a velocidade da luz pode ser superior a 300.000Km/s.
    Está aparecendo muitas novidades atualmente, como por exemplo:
    “Velocidade da gravidade pode ser maior que velocidade da luz?”(veja na internet).
    (Baseado em texto de Graeme Stemp-Morlock – FQXi – 12/10/2011) – John Donoghue, um físico da Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos.
    Veja tambem o que foi publicado em Qua, 24 de Agosto de 2011 02:05 = Da redação de Brasília Acessos: 1169: “Astrônomos dizem que o Universo gira como um carrossel desde o Big Bang”.
    Cada vez mais nos supreendemos com o universo.

  • Anderson Luis Amaral:

    Parabens ao site e tambem Stephanie. Finalmente uma noticia cientifica relevante, e sem erros de traducao, apesar de que poderiam dar mais detalhes ao publico brasileiro. Aqui na Europa, esse eh ainda “disparado” o assunto mais quente entre os academicos. Pouca gente tem ideia da revolucao na humanidade que essa pesquisa, de acordo com o resultado, pode causar.

  • Jonas Paulo Negreiros:

    Parabéns por manterem esse tema em evidência.

    Alguns cientistas acharam que foi “uma roubada” convocar a imprensa em geral. O problema deveria ser resolvido sem alardes. Se a diferença de velocidade surgiu por falha de metrologia, a reputação dos especialistas ficará abalada.

    Os artigos dos holandeses foram refutados por alemães, pois os holandeses misturaram conceitos de física moderna e clássica.

    Um físico polonês chegou a um resultado de 75 nanosegundos usando apenas a física clássica.

    Essa semana reiniciam-se os testes no CERN. Já que o assunto caiu na mídia, esperamos por novidades.

  • Mister ‘N’:

    eu queria que os italianos estivessem certo, assim estimula mais descobertas.

    • Afonso:

      Eu também gostava que eles estivessem certos, e que a teoria de que a velocidade da luz não possa ser ultrapassada esteja errada. Mas acima de tudo, a ciência e factos.

    • Cabeção:

      Isso é verdade. Novas descobertas sempre deixam a comunidade científica empolgada para pesquisar mais!

  • Guilherme:

    Jogo todas as minhas fichas na turma da Holanda.

  • Rafael:

    Caramba!!!!!

    Nunca me vi tão impotente em contribuir com uma matéria quanto esta. Discussão tensa!!! Mas ainda sim torço para que os italianos tenham errado! Alias, creio ser muito mais provável que eles tenham errado.

  • 3dx:

    isso iria causar uma muvuca no mundo, espero q os italianos estejam corretos:)

  • Nick:

    Mal posso esperar pela resposta certa 🙂

  • Jonatas:

    Nada de certezas por enquanto, vão com calma.

    • Afonso:

      Sem dúvida, até porque esses 1,000025 vezes mais rápido, é um bocado suspeito. Mas só o facto de se verificar mesmo que a velocidade da luz é ultrapassável, pode levar um grande avanço na ciência.

    • Danilo Morães:

      Espero muito que os italianos estejam certos. Isso provocará uma reformulação nas teorias e consequentemente mais estudos.

      Que vença o bem! hahah

  • Evandro:

    “64 nanossegundos mais lento, o que faz a luz superar novamente os neutrinos por apenas 4 nanossegundos.”

    Há aqui uma faca de dois gumes.

    4 nanossegundos. Isto estava dentro ou fora da margem de erro de medição?

    Se estiver dentro da margem. Logo, a velocidade do baguiu PODE ter superado o da luz. É isto o que os holandeses estariam dizendo, sem querer. Visto que a fisica não trabalha com medições infinitamentes exatas e precisas, sempre possui um margem.

    Ou seja, logo, esta argumentação dos holandeses não esta nada satisfatória.

    Ao mesmo tempo, que é intrigante esses modelos de medição dessas velocidades. Uma vez, que teoricamente, ao meu ver, algo para conseguir medir a velocidade de alguma coisa, esse algo precisa ser mais rápido ou igual que a coisa. Todavia, se estão tentando medir a máxima velocidade possivel existencial; fica um tanto ‘estranho’ pensar que o algo tem capacidade de medir a coisa.

  • Cabeção:

    Uau, o debate tá tenso xD!
    Mas estou na dúvida, quem está certo?

    • Nik:

      Tenso mesmo, cara! o_o
      Essa é uma daquelas matérias que geram vários comentários que tem que passar por moderação. o/

    • Ian:

      Principalmente se o nosso amigo Glauco pintar na área ^^.

    • Nik:

      Isso também passou pela minha cabeça! O/

Deixe seu comentário!