Homens evoluíram para ter socos poderosos: estudo

Por , em 10.02.2020
A co-autora Jenna Link prepara o instrumento para medir o poder de um voluntário em um movimento de soco. Crédito: Jeremy Morris

Por que homens dão socos mais poderosos que mulheres? De acordo com um estudo da Universidade de Utah (EUA), os machos da espécie humana, como os de outras espécies animais, desenvolveram força na parte superior de seus corpos como uma arma crítica para vencer disputas.

Força superior 

David Carrier, professor de ciências biológicas da Universidade de Utah, estuda a hipótese da evolução de estruturas especializadas para a luta no corpo humano devido a gerações de agressão interpessoal entre machos há anos.

“Em mamíferos em geral, a diferença entre machos e fêmeas é geralmente maior nas estruturas que são usadas como armas”, explicou para o portal Phys.org.

Diversas pesquisas anteriores se debruçaram sobre o soco como “arma” humana. Uma delas mostrou que as proporções da mão humana não são ideais apenas para destreza manual, mas também para protegê-la ao formar um punho. Outra pesquisa mediu a força dos ossos da face humana como alvos possíveis de socos. Por fim, um estudo focou em como nossos pés apoiados no chão podem conferir força adicional à parte superior de nossos corpos.

Os cientistas já sabem que a parte superior do corpo dos homens tem, em média, 75% mais massa muscular e 90% mais força do que a das mulheres. Mas por quê? Não precisa ser necessariamente para dar socos; essa força superior pode ter se desenvolvido para um lançamento mais eficiente de flechas ou caça com lança, por exemplo.

Desvendando o mistério

Segundo Carrier, se os homens de fato evoluíram para se especializarem em dar socos, então devem ser particularmente fortes nos músculos associados a essa ação.

Para descobrir isso, o pesquisador e seus colegas projetaram experimentos para explorar as diferenças físicas no que diz respeito à força do soco entre 20 homens e 19 mulheres fisicamente ativos.

A fim de evitar que os participantes se machucassem, suas forças foram medidas através de modelos que imitavam os movimentos de um soco (ao invés de socarem um objeto real).

Os cientistas também registraram a força dos participantes enquanto eles realizavam movimentos semelhantes a jogar uma lança (puxando uma corda acima de suas cabeças), para eliminar hipóteses alternativas.

Resultados

Ainda que todos os participantes tivessem níveis semelhantes de aptidão física, a força dos homens durante um movimento de soco era cerca de 162% maior do que a das mulheres. Até mesmo o pior dos homens era mais forte que a melhor das mulheres.

Os cientistas não encontraram a mesma magnitude de diferença no que diz respeito à força dos participantes durante o movimento de tração, o que aumenta a probabilidade de que a força da parte superior do corpo dos homens evoluiu especialmente para socar.

Carrier esclarece que esse tipo de diferença entre os sexos, chamada de dimorfismo sexual, é algo que se desenvolve com o tempo e com um propósito.

“Este é um exemplo dramático de dimorfismo sexual consistente com o fato de os homens se tornarem mais especializados em brigas, e os homens brigarem de uma maneira específica, que é dando socos”, completou.

Em direção a um futuro menos violento

No passado, a evolução pode ter levado os homens a se especializarem em socos, uma vez que as agressões interpessoais eram comuns e faziam parte da sobrevivência da espécie.

No entanto, isso não significa que somos “projetados” para brigar; a espécie humana também evoluiu outras características baseadas no convívio com outros indivíduos, como a cooperação entre grupos.

“A natureza humana também é caracterizada por evitar a violência e encontrar maneiras de cooperar e trabalhar juntos, ter empatia, cuidar um do outro, certo? Existem dois lados de quem somos como espécie. Se nosso objetivo é minimizar todas as formas de violência no futuro, entender nossas tendências e qual é nossa natureza realmente ajudará”, apontou Carrier.

Um artigo sobre o estudo foi publicado na revista científica Journal of Experimental Biology. [Phys]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (29 votos, média: 4,83 de 5)

2 comentários

  • Ulisses Magalhães:

    O que mais tem hoje em dias são “homens” que desmunhecam. Essa pesquisa deve estar errada.

    • Cesar Grossmann:

      Você tem uma estatística para afirmar que é “o que mais tem hoje em dia”?

Deixe seu comentário!