Os grandes benefícios de um simples toque afetuoso

Por , em 9.10.2013

Um toque afetuoso, caracterizado por uma carícia lenta, é um gesto muitas vezes instintivo de uma mãe para um filho ou entre parceiros em relacionamentos românticos. Agora, um novo estudo publicado em Frontiers of Psychology afirma que ele pode aumentar a capacidade do cérebro de construir um sentimento de posse do corpo e, por sua vez, desempenhar um papel na criação e manutenção de uma autoimagem saudável.

52 adultos saudáveis participaram da pesquisa, que usou uma técnica experimental comum conhecida como “ilusão da mão de borracha”, em que os cérebros dos voluntários são levados a acreditar que uma mão de borracha estrategicamente posicionada é a sua própria.

Conforme os participantes veem a mão de borracha sendo afagada em sincronia com a sua própria, eles começam a pensar que a mão falsa lhes pertence. Esta técnica demonstra a natureza variável da percepção do corpo pelo cérebro.

O toque afetivo, caracterizado pela velocidade lenta de estimulação tátil da pele (entre 1 e 10 centímetros por segundo), já foi relacionado com emoção positiva no passado. Estudos também descobriram que ele pode melhorar os sintomas de ansiedade. Além disso, o toque feminino pode dar mais coragem a um homem, e segurar a mão de uma pessoa amada tem um poder calmante. Por fim, pesquisas também afirmam que o toque pode ter um efeito negativo (dar um tapinha nas costas de alguém pode ser visto como colocar a pessoa em posição submissa, por exemplo).

Desta vez, a equipe liderada pela Dra. Aikaterini (Katerina) Fotopoulou, da Universidade College London (Reino Unido), queria testar se o toque afetivo poderia influenciar a compreensão do próprio corpo de uma pessoa.

A equipe adaptou a técnica da “mão de borracha” para incorporar quatro diferentes tipos de toque, incluindo um sincronizado e um não sincronizado lentos e afetivos, e um sincronizado e um não sincronizado mais rápidos e neutros.

Os participantes também foram convidados a preencher um questionário padronizado para medir a sua experiência subjetiva durante o experimento.

Os resultados confirmaram descobertas anteriores de que o toque lento é percebido como mais agradável do que o rápido. Mais importante ainda, o estudo demonstrou que a estimulação tátil lenta tornou os participantes mais propensos a acreditar que a mão de borracha era a sua própria.

A percepção do toque afetivo no cérebro é apenas um de vários sinais interoceptivos que nos ajudam a monitorar a homeostase (estado de estabilidade ou equilíbrio do organismo em relação a funções e composições químicas que fazem parte do corpo).

O novo estudo fornece evidências para apoiar a ideia existente de que os sinais interoceptivos, tais como o toque afetivo, desempenham um papel importante na forma como o cérebro constrói uma imagem mental e uma compreensão do corpo, o que, em última análise, ajuda a criar um “sentido de eu”.

Sensibilidade e conscientização diminuídas dos sinais interoceptivos já foram associadas a problemas de imagem corporal, dor inexplicável, anorexia nervosa e bulimia.

“O toque afetivo é normalmente recebido de um ente querido, então estes resultados destacam como relações estreitas envolvem comportamentos que podem desempenhar um papel crucial na construção de uma autoimagem”, explica Laura Crucianelli, uma das pesquisadoras do estudo.

“O próximo passo para a nossa equipe é examinar se a privação de sinais sociais, como o toque afetivo de um dos pais durante o desenvolvimento precoce, pode levar a alterações na formação de uma imagem corporal e um senso de si mesmo saudáveis, por exemplo, em pacientes com transtornos alimentares, como anorexia nervosa”, concluiu a Dra. Fotopoulou.

Impulsionar uma consciência e senso de propriedade do corpo em um indivíduo pode ser a chave para o desenvolvimento de futuros tratamentos para algumas dessas condições, e a sensação de “toque afetivo” poderia desempenhar um papel importante. [MedicalXpress]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

Deixe seu comentário!