Poliomielite está de volta: obrigado, grupos antivacinação!

Por , em 7.05.2014

Às vezes, um simples guia para refutar as besteiras ditas por ativistas antivacinação não basta. É preciso que as autoridades mundiais tenham um papel maior em reforçar os benefícios de saúde dessa invenção incrível que é a vacina.

Há dois anos, parecia que a luta para exterminar de uma vez por todas a poliomielite de todo o nosso planeta seria vencida. Esse feito, que só foi realizado uma vez na história, com a varíola, soava possível, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez o despertador tocar e todos tivemos que acordar para a realidade: o vírus está voltando a ganhar território em diversos países como Camarões, Paquistão e Síria. De acordo com o comitê da OMS, isso exigirá grandes esforços internacionais para manter o vírus sob controle.

De acordo com um anúncio recente, feito em março deste ano pela OMS, a batalha da erradicação desta terrível doença foi vencida em lugares como o sudeste asiático, já considerado livre da poliomielite. Enquanto isso, em países como a Síria, que está devastada pela guerra, a quantidade de crianças vacinadas caiu drasticamente e o vírus voltou a se espalhar, o que levou a OMS declarar no começo desta semana uma emergência de saúde internacional. Segundo um comitê de emergência, “se nada for feito, essa situação pode resultar em uma falha em erradicar globalmente um das mais graves doenças evitáveis por vacinação do mundo”.

A ciência já fez a parte mais difícil, que foi encontrar uma vacina eficiente para bloquear esse vírus. Nós já temos a solução. Agora, é uma questão de juntar esforços para colocá-la em prática.

Áreas mais afetadas por Poliomielite

Mesmo durante a época de baixa transmissão em 2014, houve disseminação internacional do poliovírus selvagem, em 3 das 10 regiões que estão atualmente infectadas: Ásia central (do Paquistão ao Afeganistão), no Oriente Médio (da República Árabe da Síria até o Iraque) e na África Central (de Camarões à Guiné Equatorial).

O número de novos casos aumentou de 223 em 2012 para 417 em 2013, sendo que 60% dos novos casos verificados em 2013 foram em regiões anteriormente livres da pólio.

Não se sabe exatamente por que, mas argumentações errôneas de que a vacina faz mais mal do que bem e a falta de confiança das pessoas na vacinação fazem parte dos motivos para esse aumento de casos. A manobra política dos EUA, de criar uma falsa vacinação no Paquistão para rastrear Bin Laden, não ajudou em nada a OMS.

O vírus geralmente afeta crianças, mas a lista de recomendações da OMS para países infectados sugere que todos os viajantes recebam uma vacina antes de irem às regiões mais críticas, que citamos acima.

Apesar das grandes conquistas da ciência e da medicina, como a erradicação do vírus na Índia desde que o país declarou guerra contra a doença em 1988, a volta da poliomielite pode ser um lembrete de como ainda temos que evoluir. Seja para aceitar a importância da vacinação, ou para unir esforços e disseminá-la por todo o planeta. [Pop Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

4 comentários

  • Ana Paula Braga:

    basta ler o artigo para entender que o vírus da Polio voltou a aparecer em regiões de guerra e não por campanha anti vacinas.

  • denissjc:

    o que precisa mesmo é dar uns tapas na cara desses malucos “antivacinação”

  • Herberti Pedroso:

    Ah, sim. O link “Guia para refutar besteiras …” aparentemente está quebrado.

    • Marcelo Ribeiro:

      Corrigido. Gratos pelo aviso.

Deixe seu comentário!