Como o “gene gay” é passado adiante

Cada vez mais pesquisas indicam que orientação sexual pode não ser uma escolha: a genética pode ter um papel nisso, fazendo com que as algumas pessoas nasçam gays.

Uma das primeiras pesquisas na área observou a atração sexual, a infância e a identidade de gênero de 4425 gêmeas, e constatou que um conjunto comum de genes, somados a fatores ambientais, poderiam ser responsáveis pela orientação sexual feminina. Sendo assim, a influência dos genes afetaria hormônios sexuais e moldaria alguns mecanismos do corpo responsáveis pelas diferenças na sexualidade das mulheres.

Mais tarde, pesquisadores da Universidade de Pádua, na Itália, descobriram que existe um “gene gay masculino”. As mães portadoras desse gene têm mais chances de ter filhos homossexuais.

Já as meninas com esse gene podem ter uma elevada fecundidade, ser menos expostas a problemas de saúde ginecológicos e ser mais extrovertidas, felizes e relaxadas.

Agora, os mesmos pesquisadores se pronunciaram novamente e disseram que o “gene gay masculino” é passado aos homens justamente pelas mães. O pesquisador Andrea Camperio Ciani não sabe qual gene ou genes causam esse comportamento, mas sugere que ele reside no cromossomo X, o qual os homens herdam um (da mãe).

Originalmente, ele considerou a hipótese de que o gene agia em homens e mulheres de formas diferentes: o homem se tornaria homossexual, e a mulher mais promíscua.

Depois de estudar 161 mulheres relacionadas com homens homossexuais e heterossexuais, ele concluiu que, em vez de aumentar a promiscuidade da mulher, o gene a torna mais atraente para os homens (e não ela fica mais atraída por homens).

Homossexualidade não leva a desequilíbrio populacional

Uma das principais críticas das pessoas que são contra o homossexualidade é que ele traria um desequilíbrio populacional (já que duas pessoas do mesmo sexo não podem procriar). Até o Papa Bento XVI disse que o casamento gay é uma das várias ameaças à família tradicional e coloca em xeque “o próprio futuro da humanidade”.

Porém, há várias maneiras de debater essa hipótese. Primeiro, porque muitos (muitos mesmo) animais são gays ou demonstram comportamento homossexual, e, no entanto, o homossexualidade nunca foi motivo de extinção de espécies (ao contrário do homem, que matou muitas espécies).

Alguns biólogos achavam que essa tendência reduziria o fluxo de reprodução normal das espécies, desequilibrando o ecossistema, mas uma pesquisa da Universidade de Newcastle (Inglaterra) com aves (que tem bastante casos de homossexualidade) mostra que isso simplesmente não altera o ciclo reprodutor dos pássaros. Mesmo que eles se envolvam em relações homossexuais, continuam a ter parceiras do sexo feminino.

O mesmo (não da mesma maneira, claro) acontece com os seres humanos. Hoje em dia, existem métodos artificiais de se ter um filho, e muitos dos casais homossexuais têm, aliás. Não é porque são homossexuais que não utilizam ovários para procriar.
Além disso, também adotam filhos que os próprios heterossexuais não quiseram ou não podiam cuidar.

Mas a questão já nem é mais essa: o novo estudo italiano mostra que a natureza se encarrega desse balanço populacional sozinha. Segundo Ciani, a maior fecundidade (ligada a ser mais atraente) das mães com genes gays masculinos garante a procriação de forma indireta. “O padrão que encontramos é de que as mulheres aumentam o seu valor reprodutivo para atrair os melhores homens”, comenta o pesquisador.

O estudo encontrou uma correlação entre gays e suas mães e tias maternas, que tendem a ter mais filhos que os pais de homens heterossexuais. Isso dá crédito à “hipótese de equilíbrio seletivo”, que sugere que o gene que leva a homossexualidade também leva a reprodução elevada entre parentes do sexo feminino. Sendo assim, o “gene gay” irá sobreviver através das gerações na família.[DailyMail]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 4,00 de 5)
Curta no Facebook:

22 respostas para “Como o “gene gay” é passado adiante”

  1. Segundo o texto, o homem que tem o gene gay, passa a gostar de homem, e a mulher que tem o gene gay, se torna promiscua, por causa do gene, todo mundo sabe que os genes passam da mae para o filho, entao logicamente uma mulher promiscua tem uma chance muito mais alta de ter um filho gay, se voce homem nao quer ter um filho gay, nao case nem tenha filhos com mulheres promiscuas, ate por que esse tipo nao presta pra casamento, ela so quer ter filho pra ganha pensao, usem elas apenas pra sexo, use camisinha sempre, pra nao engravidar ela e nem pegar as doenças que elas transmitem.
    Pro filho nascer 100% macho, case somente com mulheres virgens!

    Agora ja sabemos pq todo homem so quer casar com mulheres virgens!

    Nao tenho nada contra os gays, so tenho contra as promiscuas que chama de machista qualquer 1 que goste das virgens, querem mandar ate nos gostos dos outros!

  2. Primeiro de tudo: todo mundo é preconceituoso. Isso é fato. Depois disso, vem aquela história de que nunca foi dito que existe um “gene gay” e sim que isso pode ter a ver com a genética, mas não foi comprovado se isso vem da mãe ou do pai.

    Eu prefiro acreditar na história de Freud. Bem, hoje mesmo estava falando sobre isso na aula de Introdução a Filosofia e depois resolvi pesquisar, essa coisa de sexualidade vem desde pequeno, apesar de só se manifestar na pré, ou na adolescência propriamente dita. É difícil imaginarmos que a criança sinta desejo pela mãe, mas tanto um menino quanto uma menina, sente um desejo pela mãe. Desejo mesmo. A criança desde que nasce, pensa ter um poder sobre a mãe e sobre o resto das coisas. Ela tenta mostrar isso com manifestos normais que qualquer criança tem, por exemplo, chorar porque sabe que a mãe vai dar o peito, quando a mãe pede para ela ir ao banheiro e ela se recusa e acaba fazendo caquinha em um momento inoportuno, nesses exemplos e em vários outros, a criança está manifestando poder sobre tudo que está ao seu redor, inclusive sobre a mãe.

    Por a criança desejar a mãe, o pai é o objeto que deveria “cortar” isso, mostrando que a mãe é a mulher dele e vice-versa. Ou seja, que a criança tem limites. E ela percebe isso, principalmente, nas pequenas coisas. Quando os pais vão para o quarto e fecham a porta e ela percebe que não pode estar com eles e essas coisas. Lembrando que isso tudo acontece inconscientemente tanto nos pais, quanto na criança. No caso dos meninos, quando o pai começa a cortar isso, ele cria uma certa “aversão” ao pai porque ele quer ter o que o pai tem e não pode. Ao longo do tempo, ele vai criando mais afinidades com o pai e percebendo que o pai é igual a ele, não a mãe. Já consegue diferenciar isso, desejando então ter o que pai tem, uma mulher. Sabendo que não pode ter a mãe, ele começa, inconscientemente, a desejar mulheres, no caso, um “objeto” igual a mãe.

    Na menina é, praticamente, a mesma coisa. Mas existe um termo usado pra falar sobre a sexualidade masculina, que seria o “falo”, que a menina percebe que o pai tem e a mãe não tem. Ela se pergunta, TUDO ISSO INCONSCIENTEMENTE, por que ela não é igual ao pai? E começa a perceber as semelhanças com a mãe e a “desejar” o pai, no momento em que os pais cortam isso, mostrando que ela não poder ter o pai como “homem”, ela deseja o que a mãe tem, o pai, logo, um homem.

    E com a homoafetividade, é ao contrário. No menino, ele não consegue distinguir a diferença que existe entre ele e a mãe, então ele começa a desejar o que ela tem, nesse caso, o pai. Começa, então, a desejar pessoa do mesmo sexo que a mãe deseja. E na menina, com aquela mesma história do “falo”, ela não consegue perceber diferenças entre ela e o pai e quer ter o que ele tem, ela não vê a mãe como um “objeto” igual a ela, e sim, como um objeto de desejo, querendo assim a mesma coisa que o pai tem, a mãe, nesse caso, desejando mulheres.

    Lembrando que isso tudo se manifesta inconscientemente e tem a ver com o Complexo de Édipo, pesquisem as teorias de Freud sobre isso, ou qualquer artigo em sites sobre o comportamento humano.

    Talvez, eu tenha falado muitas besteiras, mas essa é a minha opinião sobre isso. Não tenho certeza se acredito na parte da genética citada no texto. Na sociedade em que nós vivemos, ainda não é normal falar sobre homoafetividade, então imagina chegar pra um pai machista e dizer, “Cara, tu tens problemas, fizeste um filho homossexual.” claro que isso não seria problema algum, afinal a homoafetividade não é um problema, nem uma doença, mas para um pai que não está habituado ainda com a sociedade hoje em dia, isso seria um choque. Lembrando que ninguém deve ter nada contra ninguém, pois não temos o direito de dizer que um é bom e o outro ruim porque nem sabemos o que nós somos.

    Just sayin’, só minha opinião. Me senti meio obrigada a falar sobre isso.

    • essa historieta do freud considera o humano uma criatura sem antecedentes. explicar com causa humana só serve como argumento pros defensores de adão e eva

    • Você acredita em Freud? Estamos em 2014 …As idéias de Freud são risíveis…Mas levando em consideração que metade da população mundial ainda acredita em astrologia…não me surpreendo que tem pessoas que ainda acredita neste impostor…Nelson Rodrigues tem razão em dizer que 99% das pessoas são imbecis.

  3. pura verdade… sabe… nao se escolhe ser gay… mts gays nao desidiram isso… o que e dificil e as pessoas intenderem que isso nao errado, achao que gays escolhem tudo isso… julgam sem pensar como seria se os homen heteros tivesem que gostar de outros homens por que a sociedade os jugara mau se nao gostarem… u.u

  4. OU NÃO…

    Ou vocês irão discriminar as pessoas que “escolhem” um direcionamento sexual diferente, mas que não nasceram assim. Da mesma forma que vocês se consideram discriminados???

    Será que as pessoas acreditam mesmo nesse “absolutismo” ou é apenas útil para luta por “direitos especiais” para uma parcela da sociedade?

    Se as intenções de todos fossem boas a luta seria por direitos iguais/deveres iguais…por uma punição FIRME E JUSTA a todos os crimes/agressões e que PROTEJA as pessoas, independente se ela é hetero, homo, homem, mulher, evangélico, espírita, católico, ateu, branco, negro, amarelo, vermelho, verde, azul…………

    Aos autores do site, pensem um pouco e vejam se vocês não estão se desviando um pouco do objetivo…sejam moderadores e prezem pela credibilidade!

  5. Pra variar o texto é tendêncioso como todos sobre o tema publicados aqui no site.

    Na minha opinião, pode haver genética envolvida, hormônio ou escolha própria…

    E uma coisa não exclui a outra, não é porque na possibilidade de haver algum motivo genético que não existam homoxessuais por escolha ou o fato de algumas pessoas escolherem esse modo de vida que outras já não tenham nascido dessa forma por causa de genética ou desequilibrio hormonal de gênero.

    Acho que são tão preconceituosos ou hipócritas o grupo de homossexuais que quer obrigar as pessoas a aceitarem que existem apenas motivos “genéticos” e não também escolhas quanto o grupo de heterossexuais que não aceitam as escolhas do seu próximo ou a genética ou o diferente de cada um.
    É tão ditatorial um quanto outro.

    Todas as pessoas devem ser respeitadas, sua natureza ou suas escolhas.
    Todas as pessoas devem ter os mesmos direitos e os mesmos deveres, indepente de suas escolhas, natureza, cor, credo, gênero…
    Nenhuma deve ter leis privilegiando uma em detrimento de outros…
    Uma agressão é uma agressão independente de a quem é feita e não deve ter dois pesos e duas medidas…pelo contrário, deve ser coibida sempre.

    Outra coisa é sobre o casamento…casamento é uma instituição da igreja, religião, doutrina.
    Se as pessoas discordam dessa doutrina, porque querem o casamento? Porque não tem sua própria união.
    Acho correto que as pessoas tenham direito de se unir, se tornarem companheiros legalmente.
    Mas se discordam da igreja, porque querem o “casamento”? Imagino que seria o mesmo que dizer que não gosta de macieira mas querer comer a maçã…
    Ué, vai lá e planta outro tipo de fruta…

    Lembrando que eu tenho direito a ter minha opinião como qualquer outra pessoa, o que não obriga a todos concordarem ou terem a mesma opinião.

  6. … ” Espiritualidade e Ciência.A Ciência Espíritira à meu ver concerne a forma mais compreensível. Acredito que há uma ligação entre o comportamento em vidas passadas no que se fez à respeito disso tudo.Ex: O homem que utilizou-se do marchismo opressor e tratou mulheres com arrogâncias e domínios atroz, ou vice-versa.Conheço um caso de uma pessoa que se diz ter desejos cruéis ao fazer sexo com mulheres, e depois resolveu inverter as opções e não sofrer do mesmo problema.Indagou-me em uma certa ocasião, e eu fiz uma explanação sobre essa possibilidade, e apontei a evolução Espiritual [da Doutrina Espírita] e ele um tempo depois confessou-me que havia vencido [chamou de trauma e até mim agradeceu],e de lá pra cá mudou o seu comportamento. Dai,eu mim convenço que isso seja um tipo de Carma,e que resulta nessa situação.Principalmente por quem passa por essas mudanças,digamos assim,não voltam atrás,pelo menos não se consta,não é conhecido isso.Agora pra abrir discursão,homens depois de adultos resolvem serem gays. O que vocês estudiodos teem à falar sobre essa conduta? Espero que o assunto seja debatido com responsabilidade.Eu sinceramente não compreendo essa atitude após adulto.

    • Cara, levando em consideração o jeito errado como você escreve, você realmente não deve compreender muita coisa de nada mesmo…

  7. O problema da pessoa ser gay está ligado ao espírito, se ele foi na encarnação anterior, ele trás esse desafio a ser superado na atual. Eu chamo de desvio de conduta do espírito. Agora quando falam em gene como se fosse doença hereditária, isso pra mim é um errado. Outra é querer achar um lugar no cérebro e querer atribuir isso a alguma região dos neurônios. Nosso espírito fica ligado a nossa cabeça (crânio) e as informações que são levadas ao nosso cérebro, são direcionadas pelo espírito que por razão não fica dentro de nosso crânio e sim fora. Por isso que ao invés das famílias quererem achar que isso é normal é um grande equívoco, pois ao invés de ajudar o filho a superar até que a morte nos separe, não, se deixam influenciar pela mídia e outros e depois vão resgatar por não terem feito nada. Observem então, porque a uma luta para o pessoal que vive no mundo das drogas. Vícios, desejos que não nos levam a lugar algum e ainda por cima nos afundam, tem que ser combatidos, com amor, com carinho, com informação, caso contrário estaremos sempre atrasando as vidas das pessoas, por não querer ter um entendimento e o bom censo. Pense nisso!

    • LOL, isso se voce acredita me reencarnacao… voce nao pode afirmar que isso seja verdade so por causa da sua religiao… sou gay e nao tenho absolutamente nenhum problemas psicologicos ou com drogas de qualquer tipo… ninguem no mundo recebe mais amor e carinho do que eu e voce vem me dizer que o meu estado eh resultado de uma ‘alma desviada’ … engracado demais

  8. Essa matéria está um horror de desinformação. Absolutamente NENHUM geneticista diz que existe um “gene gay”. A orientação sexual é um fenótipo de herança poligênica e multifatorial, influenciada pela ação de centenas a milhares de genes além da pesada influência ambiental. O estudo de Pádua NÃO encontrou gene gay, descreveu um padrão de herança plausível que se encaixa como um modelo da herança observada. Eles postulam que no mínimo dois genes seriam responsáveis pela herança da homossexualidade masculina, mas o estudo é puramente teórico e pouco empírico, além de nada empírico no campo molecular. A única evidência molecular de influência genética na orientação sexual foi obtida em 2011 por chineses que estudaram camundongos “knock-out” (com alguns genes “desligados”) para dois genes que produzem serotonina direta ou indiretamente no cérebro. O HypeScience escolheu a pior fonte possível para traduzir, o jornal sensacionalista Daily Mail, quando poderia ter corrido atrás de notícias da Nature, do EurekAlert! e de outras fontes melhores de notícias científicas. E é lamentável que no ato da tradução ainda usem o inadequadíssimo termo “homossexualismo”. Nota zero!

  9. Isso ainda não justifica a passagem do “gene gay” através das gerações, já que o fato de uma mulher ser mais atraente ou não, não interfere no número de filhos. O problema ainda continua, pois, como o gene gay poderia ter chegado até os dias atuais, uma vez que o portador(masculino) do gene tende a não reprodução?
    E qual seria a vantagem evolutiva, para que ele tenha sobrevivido até os atuais dias?

    • O “Gene gay” pode ser passada também para mulheres, só que ele só tem “efeito homossexual” em homens, em mulheres, como o artigo diz, faz elas ficarem mais atraentes para os homens, dentre outras características.

  10. Muito interessante a reportagem. O único ponto falho na tradução é o uso do termo “homossexualismo” que há mais de 20 anos já não é usado para indicar a sexualidade do indivíduo. O correto e mais comumente usado é homossexualidade. Obrigada.

  11. isso dai não foge a personalidade de ninguém, eles não vão deixa de ser grandes pessoas, e contribui com a nação, mais tem que serem discretos, não vulgares, pessoas reservadas e de respeitos.
    Mil vezes um filho homossexual; do que um criminoso que prejudica e mata pessoas de bem.

Deixe uma resposta