Uma maneira fantástica de ver o seu cérebro trabalhando

De vez em quando o neurocientista Greg Dunn fica entediado com seu trabalho no laboratório. Ele diz que trabalhar ali faz com que a pessoa esqueça da beleza do cérebro humano. Para voltar a se inspirar, ele criou uma gravura de 2,4 m por 3,3 m do cérebro.

Batizada de “Self Reflected”, a peça foi feita com microgravuras criadas com algoritmos, em uma técnica chamada “microgravura reflexiva”. As gravuras receberam uma camada de folha de ouro, que reflete quando a obra é iluminada com luzes de diferentes cores. Isso produz um resultado singular. “Quis usar o poder da arte para comunicar a complexidade do cérebro”, diz Dunn.

Para passar essa mensagem, Dunn primeiro fez um rascunho com os aglomerados de neurônios e dos axônios, seguindo a descrição dada a ele por colegas neurologistas especialistas em diferentes partes do cérebro. Depois, Dunn criou um código para que a conectividade do cérebro e comportamento elétrico fossem simulados. Esse código determinou o ângulo e profundidade que cada arranhão deveria ter para atingir diferentes texturas visuais.

Dunn explica que sua arte não é baseada no cérebro de nenhuma pessoa específica, e é resultado de escolhas aleatórias de um computador. Mesmo assim, se o mesmo código fosse reaplicado, o resultado seria diferente. Macroscopicamente, a imagem seria organizada da mesma forma, mas cada aglomerado de neurônios seria diferente.

O mesmo acontece no cérebro das pessoas, explica ele. “Os detalhes fazem a diferença”, acrescenta ele.

A obra está exposta no Instituto The Franklin, na cidade de Filadélfia (EUA). Para tornar a experiência ainda mais única, um sistema de luzes LED de várias cores está instalado na sala. Cada vez que uma nova combinação de cores de luzes é usada, o observador tem uma nova visão do cérebro humano. [Greg Dunn, Scientific American]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (8 votos, média: 5,00 de 5)
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta