Sonda Curiosity da NASA chega a Marte

Publicado em 6.08.2012

A nave Curiosity (“curiosidade”, em português) da NASA, conhecida oficialmente por Laboratório Científico de Marte, chegou ontem (domingo) ao planeta, no qual vai passar dois anos procurando sinais que indiquem que Marte já abrigou um dia a vida, ou os ingredientes-chave para que ela existisse.

A NASA anunciou o tempo de pouso oficial da nave, apontada como o primeiro laboratório móvel da ciência enviado para um mundo distante, às 22:32 do dia 05/08, hora local do Pacífico.

O projeto Curiosity, que custou US$ 2,5 bilhões (cerca de R$ 5 bilhões), estava com muito em jogo quando pousou na superfície de Marte: segundo os engenheiros responsáveis pela missão, a nave conseguiu sobreviver aos que eles chamam de “sete minutos de terror”, a descida dramática e perigosa pela qual todos estavam esperando para o sucesso da empreitada.

Os sete minutos de terror

Lançado em 26 de novembro de Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), o laboratório robótico navegou através do espaço por mais de oito meses, abrangendo 566 milhões de quilômetros, antes de chegar à atmosfera de Marte, a 17 vezes mais que a velocidade do som, e iniciar a sua descida.

Veja um simulação da missão, com a descida a Marte:

A atmosfera de Marte é considerada “imprevisível”, e os mecanismos de pouso precisavam estar muito bem calibrados para evitar danos à sonda. É por isso que a aterrisagem em Marte era conhecida como “sete minutos de terror”.

Envolta em uma cápsula protetora, a nave utilizou primeiro seu sistema de voo automático de entrada para reduzir drasticamente sua velocidade. Em seguida, um paraquedas enorme supersônico saiu de uma mochila a jato da NASA na baixa atmosfera de Marte para realizar a maior parte do resto do caminho até seu destino.

Quando as rodas da nave foram firmemente plantadas no chão, os cabos desse paraquedas foram cortados e o resto dele voou a uma distância segura e caiu. A sequência também envolveu 79 detonações de pirotecnia para soltar pesos exteriores, abrir o paraquedas, separar o escudo térmico, retirar a casca protetora da nave, abandonar o paraquedas e outras funções. A falha de qualquer uma dessas etapas teria condenado a aterrissagem.

Esse sistema complicado era necessário devido ao tamanho e peso do Curiosity. Mais de duas vezes maior e cinco vezes mais pesado que outras naves da NASA, como Spirit e Opportunity, Curiosity era muito pesado para chegar a superfície em airbags ou voar sozinho todo o caminho com foguetes propulsores – sistemas utilizados com sucesso por outras seis sondas da NASA.

Com um atraso de 14 minutos – o tempo que leva para as ondas de rádio da Terra chegarem em Marte, a 248 milhões de quilômetros de distância -, os engenheiros da NASA não podiam fazer muita coisa durante a descida, a não ser rezar.

No momento em que receberam a confirmação de rádio da aterrissagem segura da nave, ela já estava no chão por sete minutos. Curiosity já enviou suas três primeiras imagens da superfície marciana, uma delas mostrando uma roda do veículo e a sombra da sonda lançada sobre o terreno rochoso.

Sua confirmação precisa ainda tem que ser confirmada, mas os engenheiros dizem que a sonda está em uma cratera antiga de Marte, a Gale, no sopé de uma montanha alta no hemisfério sul do planeta.

Explorando Marte

Primeiro, a NASA vai testar a nave e todos os seus instrumentos sofisticados através de várias semanas de verificações de engenharia, antes de iniciar a sua missão na superfície.

Curiosity deve passar os próximos dois anos explorando a cratera Gale, de 160 quilômetros de largura, e a montanha de 5 quilômetros próxima, que parece estar acumulando sedimentos na base.

Sua principal missão é procurar evidências de que Marte – o planeta mais parecido com a Terra – pode ter uma vez sediado os blocos básicos de construção necessários para a vida microbiana existir e evoluir.

Os controladores da missão foram projetados por 1.400 cientistas e engenheiros. A nave é capaz de analisar amostras de solo, rochas e da atmosfera; seus instrumentos são tão avançados que podem até mesmo discernir a composição mineral da química de uma amostra.

Por conta disso, Curiosity vai poder estudar em profundidade a química e a geologia do local, principal chave para desvendar o mistério da “vida em Marte”.

Talvez os sete minutos de terror não tenham sido nada. Agora é aguardar para ver se Curiosity é capaz de passar pelo segundo desafio inédito a um veículo espacial: escalar um elevado de 5 mil metros.[Reuters]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

9 Comentários

  1. Não há palavras para descrever tamanho feito. Realmente essa façanha é uma das mais arrojadas dentro da tecnologia espacial.
    No meu umilde comentário dou os meus parabens e todos os participantes dessa missão e espero que dentro em breve outras missões iguais a essa possam estar cingrando o Universo em busca de novas pesquisas científicas em outros Planetas em benefício da Ciência e de toda a humanidade que vive no planeta terra, o mais novo planeta do Sistema Solar.

    Thumb up 2
  2. Obviamente foi um feito e tanto. Mas contaram com a sorte pois dependendo das condições atmosféricas em Marte as configurações da descida pré-programadas corriam alto risco de serem falhas. Acho que já mandaram sondas demais pra lá desde os anos 70. Antes deste Jipão pousaram nos anos 90 o pathiphinder e recentemente mais 2 spirit e oportunity. Então acredito que a própria Nasa já deveria ter procurado incentivo de empresas ( patrocinar pesado mesmo) e investido em melhores foguetes e sondas robôs levando mantimentos e oxigênio pra Marte antes de humanos irem pra lá. Se tivessem feito isto no começo da década já haveria pegadas humanas em Marte. (Apagadas por redemoinhos rs rs) Seria algo incrível filmagens de lá upadas no Youtube.

    Thumb up 0
  3. VIDA? se esta fosse a primeira expedição,para essa resposta eles ja tem nós~é que não. resta saber se o planete vermelho é suportavel para humanos.

    Thumb up 0
  4. Fala sério, não precisa ser nescessáriamente igual a terra para existir vida, não precisaamos de outra terra na galáxia, mais sim de novas formas de vidas que se adaptam para poder sobreeviver no seu planeta natal… aposto que isso ja aconteceu em outras galáxias e já deve existir mais de 2 ou 3 planetas com vidas nessas outras galáxias, isso é só um processo de evolução, os humanos são tão idiotas para perceber que isso é possível?

    Thumb up 0
  5. Foi muito emocionante assistir a chegada da Curiosity! Muita tensão até as rodas tocarem o solo! Estou louco para ver as imagens feitas pela sonda. Essas primeiras imagens são bem estranhas, porque que essas fotos são em preto em branco? Eu fiquei com uma curiosity em relação a isto. Será que depois elas são coloridas artificialmente? Ou é somente por serem as primeiras fotos mesmo? Enfim, Tomara que haja muitas descobertas com esta exploração marciana!

    Thumb up 4
  6. imaginem a agonia no centro de comando
    14 minutos esperando uma resposta sobre a aterrissagem
    confiando apenas na maquina …

    Thumb up 6
  7. E Agora, Mustafá? lembre que você nos deu até 2020, teu prazo pra acharmos vida alienígena começou… ;)
    Um abraço.

    Thumb up 10
    • “os engenheiros da NASA não podiam fazer muita coisa durante a descida, a não ser rezar”

      Acho que poderiam fazer outras coisas também, como ir ao banheiro ou tomar café, por exemplo…

      Thumb up 1
    • Pode ocorrer nas próximas semanas.

      Thumb up 1

Envie um comentário

Leia o post anterior:
T1800067-Electric_arcs_over_the_Z-1_accelerator-SPL
A máquina de relâmpagos que derrete diamantes

Conheça a máquina ca...

Fechar