10 razões pelas quais devemos temer os robôs

Por , em 20.12.2012

O mundo não seria nada sem tecnologia. Desde as coisas mais simples, como irrigadores de água, as mais complicadas, como computadores quânticos, estamos cercados pelas mesmas “parafernálias” que um dia podem se virar contra nós.

Pense nos robôs, expressão máxima dessa tecnologia. Robôs militares, androides autônomos, nano-robôs: o mundo parece cada vez mais uma história elaborada de ficção científica, e, dependendo do final dessa história, o futuro pode se tornar um lugar terrível governado pelas coisas que nós próprios criamos.

Para não tirar qualquer dúvida de que isso pode mesmo acontecer, basta prestar atenção em algumas das capacidades que os robôs modernos têm:

1 – Robô que corre mais que a gente

Oficialmente, o homem mais rápido do mundo é Usain Bolt, o velocista jamaicano que ganhou o ouro em ambos 100m e 200m nos últimos dois Jogos Olímpicos, com uma velocidade máxima registrada de 44,71 km/h. Mas isso lhe conferiria apenas o segundo lugar em uma competição contra o mais rápido robô do mundo, apelidado de “Cheetah” (guepardo, em português), que chega a incríveis 45,54 km/h.
O robô foi desenvolvido principalmente pela Boston Dynamics, com financiamento da agência do governo americano DARPA. Embora só tenha sido testado em laboratório, testes de campo estão planejados para 2013.

Não só esse robô pode correr mais que qualquer um a pé, como tem um objetivo terrível: matar. O professor Noel Sharkey, do Departamento de Robótica da Universidade de Sheffield (Reino Unido), disse: “É um feito tecnológico incrível, mas é uma pena que será usado para matar pessoas”.

2 – Robô mais humano que a gente

Designers de videogames tentam incorporar muitas vezes IA (inteligência artificial) em seus jogos para permitir que os personagens interajam com jogadores humanos de uma forma mais realista. Na maioria das vezes, é muito fácil dizer quando um personagem em um jogo está sendo controlado por um humano ou por IA, porque é muito difícil imitar a complexidade do processo de tomada de decisão humana.

Em setembro de 2012, no entanto, a 2K Games realizou um concurso para ver quem conseguia criar o melhor algoritmo de inteligência artificial, ou seja, que melhor imitasse o comportamento humano. O teste foi criado para que um número igual de “robôs” e jogadores humanos se misturassem em um jogo de primeira pessoa. Os seres humanos podiam marcar qualquer jogador como humano ou IA.

O resultado? O algoritmo vencedor obteve uma classificação de 52% de humanidade. Pode não parecer muito, exceto que os jogadores humanos reais ganharam em média 40% de classificação de humanidade. Isso significa que os IA foram mais críveis como pessoas reais do que as pessoas reais! Se você acha que isso não é aterrorizante porque é apenas um videogame, saiba que os algoritmos de inteligência artificial que saíram desta competição serão utilizados para permitir que robôs interajam melhor conosco – ou seja, para criar robôs que agem exatamente como a gente.

3 – Robô com a mesma força e destreza que os humanos

Biorrobótica é a ciência da criação de robôs com tecido vivo. Um tecido muscular foi projetado pela Universidade da Pensilvânia e pelo Instituto Tecnológico de Massachusetts – MIT (ambos nos EUA) para reagir à luz. Tecidos do músculo esquelético normais contraem como resultado dos impulsos elétricos enviados a partir de neurônios, mas este novo “tecido” contrai quando é exposto à luz. Modificando geneticamente as proteínas do tecido para responder à luz, os cientistas foram capazes de criar uma forma de manipular tecido muscular biológico sem a necessidade de algo tão complicado quanto o sistema nervoso. O vídeo acima mostra o tecido em ação. A equipe de pesquisa espera implementar este tecido muscular modificado em robôs, de modo a torná-los mais flexíveis e hábeis.

4 – Robô que pode desviar de obstáculos

Robôs típicos geralmente exigem um sinal de satélite (ou qualquer tipo de sinal remoto) a fim de serem manobrados. Sem essa orientação, não fazem nada. Em um esforço para transformar algo que já é muito bom em matar pessoas em excelente em matar pessoas, o Grupo de Robótica Robusta do MIT desenvolveu um robô voador que pode navegar através de um ambiente com absolutamente nenhuma intervenção humana. Ele é capaz de calcular a sua própria aceleração, velocidade, orientação, posição e, através de um algoritmo, extrair informações de instrumentos de bordo.

5 – Robô com cérebro

Uma pesquisa das Universidades de Sussex e Sheffield (Reino Unido) está criando um modelo das vias neurais que compõem o cérebro de uma abelha, para ser colocado dentro de um robô voador para ajudá-lo a navegar por terrenos.

Criar modelos mecânicos de cérebros não é uma ideia nova, mas normalmente os esforços têm sido restritos a tentar recriar sistemas neurais de ratos, macacos e seres humanos. Porém, de acordo com o Dr. James Marshall, “os organismos mais simples, como insetos sociais, têm capacidades cognitivas surpreendentemente avançadas e são menores e mais acessíveis do que qualquer cérebro dos vertebrados”.

Se você não acha isso tão assustador, pense na maneira como abelhas agem. Elas têm uma hierarquia social, colaboram umas com as outras, podem sinalizar a outras abelhas quando estão sendo atacadas… Agora imagine tudo isso em robôs armados.

Um outro estudo da Universidade de Reading, no Reino Unido, utilizou células cerebrais de ratos para controlar um robô simples. Aproximadamente 300 mil neurônios foram conectados aos sensores de distância de um robô, e os impulsos elétricos lançados pelas células funcionaram como impulso para o robô.

6 – Robô que pode andar na água

Qinmin Pan desenvolveu um robô que imita os insetos Jesus, insetos do gênero Gerridae que podem andar sobre a água sem quebrar a tensão da superfície. O robô não só caminha sobre a água, como pode saltar 13 centímetros de altura e 35 centímetros para a frente, um feito que até então tinha sido impossível, porque o impulso necessário para o salto quebrava a tensão de superfície e fazia com que o robô afundasse.

Pan usou espuma de níquel para as pernas e um sistema de cinco pés complexo que permite que o robô de 11 gramas empurre-se para fora da superfície da água, provando que os cientistas não querem que haja qualquer lugar seguro para os humanos se esconderem dos inevitáveis robôs guerreiros do futuro.

7 – Robô quase indestrutível

O vídeo acima mostra um robô minhoca, uma máquina especial criada pelas universidades de MIT, Harvard e Seul, que anda graças ao peristaltismo, o movimento de contratação rítmica que minhocas usam para se locomover. Este robô autônomo não perde equilíbrio e pode ser usado para percorrer terrenos difíceis.

No vídeo, os pesquisadores mostram o quão resistente o robô é, batendo-o com uma marreta e pisando nele. Não é bem indestrutível, mas é a prova de que os engenheiros estão no caminho certo.

8 – Robô capaz de se reconhecer

Qualquer pessoa que sabe alguma coisa sobre robôs sabe que, assim que eles se tornarem autoconscientes, vão começar a questionar seu papel no mundo como nossos escravos mecânicos. Os pesquisadores da Universidade de Yale (EUA) estão querendo apressar a chegada desse dia, construindo um robô chamado Nico que deve ser capaz de se reconhecer em um espelho.

Isso significa que o robô irá desenvolver um senso de identidade, sendo capaz de ver o seu próprio reflexo e entender que é uma criatura neste mundo. Os humanos normalmente não podem fazer isso até os 18 meses de idade, por isso Nico vai ter uma capacidade de raciocínio maior do que a de um bebê humano. Corra e se esconda!

9 – Robô capaz de ler sua mente e “aprender”

Pesquisadores da Universidade de Washington (EUA) ensinaram novas habilidades a robôs através de sinais cerebrais. Eles programaram um robô humanoide com comportamentos simples, que os usuários poderiam selecionar através de fios de eletroencefalograma (EEG) que pegam sua atividade cerebral – isso significa que alguém podia pensar em algo que o robô o faria.

Ou seja, o objetivo inicial da equipe era que o usuário enviasse um comando para o robô processá-lo em um movimento. No entanto, isso requeria a programação do robô com um conjunto pré-definido de comportamentos, uma abordagem que os pesquisadores acharam muito limitante.

A ideia passou a ser dar ao robô a capacidade de aprender, o que permitiria uma maior amplitude de movimentos e respostas. Para isso, desenvolveram uma interface “hierárquica” cérebro-computador para controlar o robô. Um comportamento ensinado inicialmente pelo usuário é traduzido em um comando de nível superior. Quando pedido mais tarde, os detalhes do comportamento serão totalmente manipulados pelo robô.

Se o robô for bem sucedido na aprendizagem do novo comportamento, o usuário pode pedir que o sistema o armazene como um comando de alto nível novo.

O sistema resultante é tanto adaptável quanto hierárquico. Adaptável porque aprende com o usuário, e hierárquico, pois os novos comandos podem ser compostos de sequências de comandos previamente aprendidos.

O protótipo mais recente da equipe é o robô “Mitra”, que significa “amigo”. É um humanoide de dois metros de altura que pode caminhar, procurar objetos familiares e pegar ou largar objetos. Só esperamos que ele não caia nas mãos erradas e aprenda todo o tipo de coisas horríveis que nós sabemos fazer.

10 – Robô que sabe falar

DeeChee é o primeiro robô criado especificamente para aprender a falar. Programado com todas as cerca de 40.000 sílabas da língua inglesa, ele foi projetado para ouvir um professor e repetir o que ouviu. Caroline Lyo, da Universidade de Hertfordshire, do Reino Unido, é quem projetou o androide.

No início, tudo que se ouve dele é uma sequência de sons, sem nenhum significado; mas, à medida que DeeChee vai aprendendo, ele começa a dar um “peso” maior para as sílabas que ouve seu professor humano falar mais, e as repete mais que as outras, até eventualmente falar uma palavra que faz algum sentido.

Isso significa que DeeChee aprendeu a falar da mesma maneira que uma criança. Começou falando sílabas aleatoriamente e, à medida que diferentes pesos foram dados às sílabas por adultos, ele começou a falar palavras de verdade. Em breve, os robôs não só dominaram o mundo, como jogarão isso na nossa cara.

Bônus: Robô inteligente capaz de improvisar

Se nós entrarmos em guerra com os robôs um dia, eles têm muitas chances de ganhar. Eles certamente já sabem executar tarefas como analisar um terreno perigoso, desarmar uma bomba ou simplesmente transportar objetos, fazendo o trabalho com muita precisão – a menos que precisem improvisar, é claro. Eles não sabem – ainda – lidar muito bem com esse tipo de situação. Daí entra o “robô McGyver”.

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Geórgia (EUA) planejam desenvolver robôs capazes de improvisar. Atualmente, um robô não é capaz de “perceber” que uma cadeira pode ser usada para se alcançar um lugar mais alto, ou que um bastão pode ser usado como alavanca. O primeiro passo rumo ao “robô que improvisa” é criar um “sistema híbrido de raciocínio”, usando algoritmos baseados em princípios da física e um sistema de aprendizado para “ensinar” os robôs a reconhecer e usar diversos objetos.

O projeto do robô McGyver é financiado pelo Escritório de Pesquisa Naval dos Estados Unidos. Se um dia eles se revoltarem contra nós, estou culpando vocês, Estados Unidos!

Veja outras características incríveis de robôs, como devorar corpos, desafiar a gravidade, fazer um aviãozinho de papel com precisão, andar em uma corda bamba, etc.[Listverse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

14 comentários

  • Natã Yamashita:

    mesmo se n dominarem daqui apouco vai ser todo mundo obeso sem ter oq fazer da vida por causa da tecnologia q acaba facilitando mt otrabalho

  • franklucca:

    De fato temos que pensar desde ja na questão da programação destes robos. E fazer isso antes que seja tarde demais. Vejam a questão dos crimes realizados via internet….Que hoje tem sido uma verdadeira dor de cabeça para conter e julga-los judicialmente. Uma vez que não havia preparo nem previsão de como proceder para conter tal uso. Na robotica é a mesma coisa. Temos que pensar em pessoas mal intencionadas pois existem e existirão. E uma forma de impedir e punir conforme o necessario.

  • George Martins:

    Vamos mata-los todos !!!

  • Bruno Figueiredo:

    eu acho que os robos sepre devem ser usados para verem os humanos como monstros horiveis mantemdo assim o respeito,e quando forem guerria verem como uma missao susida

  • Marcos Pedroso:

    Sempre fui convicto de que a ciência não pode ser detida, mas quando o assunto é inteligência artificial ou imortalidade artificial confesso que tenho medo e acho extremamente perigoso perdermos o controle das “maquinas”.

  • aguiarubra:

    Isaac Asimov já esclareceu, em seus contos de ficção científica, até onde um robô pode chegar ameaçando ou não os seres humanos.

    Ao que parece, Asimov previu as linhas gerais de evolução robótica. Os seres humanos que se cuidem!

  • Dinho01:

    Podemos estar caminhando para um futuro como imaginado em Matrix.Não é tão absurdo assim.Tem um artigo que trata desse mesmo assunto escrito pelo jornalista e escritor John Naugton.Que tiver curiosidade aqui vai o link
    http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/1199538-os-robos-vao-virar-uma-ameaca-existencial-a-humanidade.shtml

  • Thiago CV:

    O que eu acho disso tudo é que simplesmente estamos criando a próxima forma de via a habitar esse planeta!

    Sim! Forma de vida mesmo, pq se eles se tornarem conscientes, pensarão, logo existirão!

    Agora é claro, será uma forma de vida diferente, onde não precisarão se acasalar pra procriar, e viverão quase uma eternidade.

    O que eu me pergunto é: Será que pode ocorrer uma história ao estilo “Exterminados do Futuro” ou “O Homem Bicentenário”?

  • Tibulace:

    Nem de longe, dá para competir conosco:O HOMEM, é o único ser cibernético, que feito:Por mão de obra NÃO ESPECIALIZADA, ÀS PRESSAS ( menos de dez minutos ) e NO ESCURO!

  • Falcone Big:

    Acredito que os robôs sejam os primeiros seres verdadeiramente racionais a habitar esse planeta.

  • Felipe Martins:

    Não são os robôs que devem ser temidos. Devemos ter cuidado com as pessoas que os utilizam! Como qualquer tecnologia, robôs podem ser usados para o “bem” ou para o “mal”. Eles (os robôs) ainda estão muito longe de conseguirem entender esses conceitos. E mais longe aibda de se tornarem auto-concientes a ponto de se revoltarem contra a humanidade. Por isso, se houver uma guerra entre homens e robôs, será porque alguém programou os robôs pra isso.

  • Joao Pedro Brito:

    Juntar esses todos num só, daria uma coisa bastante interessante 😮

  • Marte:

    Um cientista disse que tomando como base a Lei de Moore, daqui a 50 anos o computador será mais inteligente que o homem, terá a capacidade de raciocínio e escolha.
    Sim, devemos ficar com um pé atrás, talvez os dois.

  • Magui Lima:

    Tem coisas assustadoras aí!

Deixe seu comentário!