Astrônomos descobrem atividade em objeto planetário distante do Sistema Solar

Por , em 28.10.2020
Imagem de C / 2014 OG392 exibindo atividade
Esta nova imagem de C / 2014 OG392 (PANSTARRS) combina muitas imagens digitais em uma única exposição de 7.700 segundos. As linhas tracejadas são rastros de estrelas causados pela longa exposição. Imagens capturadas em 14 de outubro de 2020 usando o Large Monolithic Imager no Lowell Discovery Telescope de 4,3 m. Crédito: Northern Arizona University

Centauros são planetas menores que os astrônomos pensam que se originaram no Cinturão de Kuiper, no sistema solar externo. Eles às vezes têm características semelhantes às de cometas, como caudas e coma (nuvens de poeira e gás) embora orbite em uma região entre Júpiter e Netuno onde é muito frio para a água se transformar em gás instantaneamente.

Apenas 18 centauros ativos foram descobertos desde 1927, e sabemos pouco sobre eles. Descobrir a atividade em Centauros também é um desafio observacional porque eles são tênues, usam muito tempo do telescópio e são raros.

Uma equipe de astrônomos, liderada pelo doutorando Colin Chandler, da Universidade do Norte do Arizona no início deste ano anunciou sua descoberta da atividade de Centaur 2014 OG392, um objeto planetário observado pela primeira vez em 2014. Eles publicaram suas descobertas em um artigo científico no The Astrophysical Journal Letters. Chandler é o autor principal, trabalhando com quatro co-autores: o estudante de graduação Jay Kueny, o professor Chad Trujillo, o professor David Trilling e William Oldroyd.

A pesquisa da equipe envolveu o desenvolvimento de um algoritmo de busca de banco de dados para localizar imagens arquivadas do Centauro, bem como novas observações do objeto, reporta o portal Phys.

“Nosso artigo relata a descoberta de atividade proveniente do Centaur 2014 OG392, com base em imagens arquivadas que descobrimos”, disse Chandler, “além de nossa própria nova evidência observacional adquirida com a Dark Energy Camera no Observatório Interamericano em Cerro Tololo, Chile, o telescópio Walter Baade no Observatório Las Campanas no Chile e o grande gerador de imagens monolíticas no telescópio Discovery Channel do Observatório Lowell em Happy Jack, Arizona.”

“Detectamos um coma de até 400 mil km”, disse ele, “e nossa análise dos processos de sublimação e da atividade dinâmica sugerem que o dióxido de carbono e/ou amônia são os candidatos mais prováveis ​​para causar atividade neste e em outros centauros ativos.”

“Desenvolvemos uma nova técnica”, disse Chandler, “que combina medições observacionais, por exemplo, de cor e massa de poeira, com esforços de modelagem para estimar características como a sublimação volátil do objeto e a dinâmica orbital. Como resultado da descoberta da equipe, o Centauro foi recentemente reclassificado como um cometa, e será conhecido como “C / 2014 OG392 (PANSTARRS).”

“Estou muito animado que o Minor Planet Center concedeu a nova designação de cometa condizente com a atividade que descobrimos neste objeto incomum”, disse ele.

Esta semana, Chandler foi convidado a apresentar os resultados na 52ª reunião da Divisão de Ciência Planetária da American Astronomical Society. [Phys]

Mais informações: Colin Orion Chandler et al. Cometary Activity Discovered on a Distant Centaur: A Nonaqueous Sublimation Mechanism, The Astrophysical Journal (2020). DOI: 10.3847/2041-8213/ab7dc6

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!