Combustível a partir do ar – será essa a principal questão?

Por , em 29.10.2012

A notícia

Como o noticiado aqui no hypescience, ou ainda:

“Cientistas transformaram ar em combustível” (segundo o jornal Independent em sua manchete do dia 20/10 citando especialistas britânicos).

Sendo que Daily Telegraph classificou a descoberta como ‘revolucionária’ e o tabloide Daily Mail, afirma que tal descoberta “promete resolver a crise energética global.”

Mas será que a questão principal se resume apenas na produção de combustíveis e na crise energética mundial?

O Processo

A pequena empresa britânica Air Fuel Synthesis anunciou ter desenvolvido uma tecnologia que possibilita a produção de um combustível a partir de ar e água. Mas especificamente a partir de hidrogênio extraído do vapor d’água por eletrólise e do gás carbônico extraído da atmosfera por lavagem alcalina.

O processo central é bem conhecido e se fundamenta num conceito amplamente estudado por centros de pesquisas em diversos países tais como o Centro de Tecnologia Industrial de Tokushima, no Japão, e o Centro de Estudos de Materiais Freiburg, na Alemanha.

Consiste basicamente na hidrogenação do gás carbônico e sua consequente transformação em formol e depois em metanol, o que pode ser equacionado de forma simplificada:

O metanol por sua vez poderia ser utilizado diretamente como combustível ou como ponto de partida para cadeias de produção capazes de gerar outros combustíveis ou matérias-primas que venham substituir aquelas obtidas do petróleo.

Tal processo teve o respaldo da sociedade de engenheiros Institution of Mechanical Engineers, de Londres, posto que ao mesmo tempo, que tende a “livrar” o ar do excesso de gás carbônico (um dos vilões do agravamento do efeito estufa) propõe um possível substituto do petróleo.

“Podemos mudar a economia de um país permitindo que ele produza seu próprio combustível”, explicou Peter Harrison, diretor da Air Fuel Synthesis ao Independent.

Mesmo com o uso de conceitos já amplamente conhecidos os resultados da Air Fuel Synthesis chamaram a atenção porque a empresa conseguiu criar um pequeno protótipo de “refinaria” no qual a produção é feita de forma constante, com o propósito de em dois anos, construir uma planta piloto capaz de produzir uma tonelada desse combustível por dia.

Segundo Harrison, a ideia principal é erguer, em até 15 anos uma refinaria em escala comercial – evidentemente existem muitos obstáculos técnicos e comerciais ainda a serem vencidos.

A Polêmica

Porém nem todos estão tão otimistas com a iniciativa. O engenheiro químico e especialista em energia limpa Paul Fennell, do Imperial College London, explica que, o gargalo de tal processo continua sendo a produção massiva de gás hidrogênio, que por eletrólise requer um consumo igualmente massivo de energia elétrica.

“Trata-se de um processo custoso e que não compensa esse gasto de energia”, opinou Fennell em entrevista à BBC Brasil.

Para ele, faria mais sentido, do ponto de vista de eficiência energética, utilizar a energia elétrica sem intermediários – ou seja – investir no desenvolvimento de formas alternativas de transporte usando a eletricidade diretamente.

“A ideia de desenvolver novas técnicas de produção de combustíveis líquidos pode parecer atraente à primeira vista, tendo em vista que não requer mudanças significativas nas estruturas e sistemas de transporte utilizados atualmente”, afirma Fennel. “Mas isso não significa que tal opção seja a mais eficiente ou a mais limpa – afinal, quando o novo combustível é queimado os poluentes voltam para a atmosfera”.

A reflexão

Polêmicas à parte é importante destacar que além da produção de combustíveis o petróleo também é uma fonte importante de matérias-primas para um sem número de aplicações; que vai desde fibras têxteis, por exemplo, até produtos farmacêuticos.

Um dia a sociedade como um todo irá perceber que o petróleo sempre foi um item precioso demais para ser queimado.

Sem dúvida é tranquilizador perceber que mais uma alternativa está em andamento para quando o petróleo acabar, ou, muito antes disso, quando seu preço atingir patamares proibitivos.

Em resumo, o mais importante a meu ver de todo o noticiado está nessas linhas:

– Em alguns anos será possível remover o excesso do gás carbônico da atmosfera e com isso obter continuamente matérias-primas essenciais que hoje obtemos de fontes não-renováveis e que estão na iminência de acabar.

E você meu caro leitor, o que pensa a respeito?

[Imagem e fonte: BBC]

-o-

 

[Leia os outros artigos de Mustafá Ali Kanso]

 

LEIA SOBRE O LIVRO A COR DA TEMPESTADE do autor deste artigo

À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E ARTE & LETRA

Navegando entre a literatura fantástica e a ficção especulativa Mustafá Ali Kanso, nesse seu novo livro “A Cor da Tempestade” premia o leitor com contos vigorosos onde o elemento de suspense e os finais surpreendentes concorrem com a linguagem poética repleta de lirismo que, ao mesmo tempo que encanta, comove.

Seus contos “Herdeiros dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Foi premiado com o primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos da Scarium Megazine (Rio de Janeiro, 2004) pelo conto Propriedade Intelectual e com o sexto lugar pelo conto Singularis Verita.

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

6 comentários

  • Genioso Irreligioso:

    Nananinanão! Ainda que fosse viável; a indústria do petróleo calaria a boca dos inventores com muita $$$! Dinheiro compra qualquer idealismo! =P

  • Luis Talora:

    Extrair combustível do ar. Até aí, legal. Mas e a OPEP? Se essa iniciativa valesse a pena – a matéria já nos mostra que, aparentemente, não vale – quem a faria sair do papel?
    Um catarinense que inventou um motor movido a ar comprimido, alimentado por 2 cilindros de mergulho. O motor tem 75% de eficiência em reaproveitamento, o que significa que o ar que passa pelo motor é reaproveitado e volta para o início do ciclo. Com investimentos, certamente a eficiência de reaproveitamento poderia chegar próxima a 100%, significando que nem sequer seria preciso reabastecer o tanque. E, se fosse preciso, um simples compressor da ar seria suficiente!!! Quer solução melhor que essa? Pois bem: mesmo assim, não se ouve falar mais nada a respeito. Nenhum grande fabricante de automóveis abraçou o projeto, ninguém vê com otimismo a possibilidade de isso chegar ao mercado. Por que? Porque todo mundo sabe que a indústria autmobilística é uma tremenda de uma máfia, assim como a indústria de geração de energia. A única razão por se falar em veículos mais “sustentáveis” hoje é que esse apelo ajuda a vender carros. Só isso. Resumindo, planeta e as gerações futuras que se danem! O que vale para essa corja é o dinheiro no bolso. E põe dinheiro nisso…

  • Orlando Rios:

    Temos que analizar a questão, mas faltam dados e informações para isto.

    Questão economica: Adianta gastar recursos energeticos para obtermos hidrogenio pela eletrolise e conseguirmos metanol ?
    Pq não usarmos diretamente a energia eletrica em carros ou o hidrogeneo ?. Qual processo seria mais eficiente ?

    Questão ecologica: Retiraremos gás carbonico da atmosfera pelo processo inventado, mas reintroduziremos o gás prejudicial na atmosfera na queima no motor ?

    Questão tecnologica: Nossa base de carros a alcool poderia ser usada ?. Seria viavel nossa tecnologia ?

  • Marcelo Ribeiro:

    Se o processo provar auto sustentável e economicamente viável, excelente. Mas questão que mais preocupa é mesmo a necessidade de uma enorme quantidade de energia para a eletrólise. Adianta queimar R$ 90 de eletricidade para gerar R$ 100 de combustível? Quanto tempo levaria para reaver o investimento inicial com estas margens? Não seria mais eficaz, economicamente pensando, criar um carro elétrico mais eficiente e com maior autonomia e pular uma etapa do processo? É claro que estamos falando de uma guinada enorme na industria automobilística, mas estamos vendo um futuro promissor neste quesito.

  • Renan Altair Nardi:

    Acho que uma nova forma de produzir gasolina, acrescendo-se que é mais cara, não muda em nada. A energia elétrica não deixa poluentes AO SER UTILIZADA e me parece ser a forma mais razoável para o futuro. Acredito que se as pesquisas tivessem sido direcionadas à energia elétrica e não a combustíveis fósseis hoje a situação seria bem outra e melhor.

  • CMagalha:

    Ocasionalmente lemos histórias de idéias novas para propulsão de carros, como a do “ar comprimido”, que cisculou uns tempos atrás.

    O que pouca gente avalia é exatamente o que esse artigo expõe: é necessário avaliar todo o processo produtivo e ver o custo total da nova propulsão proposta.

    A mim me parece que a transformação da energia solar em elétrica ainda será o caminho de menor custo total.

Deixe seu comentário!