Exame de sangue pode identificar Síndrome de Down antes de o bebê nascer

Por , em 7.07.2010

Cientistas holandeses esperam desenvolver para uso público, em menos de quatro anos, um exame de sangue preventivo para mulheres grávidas. Mas não se trata de identificar possíveis doenças nelas, e sim em seus filhos que ainda não nasceram. A ideia é fornecer um meio que possa dizer com antecedência qual a chance de a criança ser portadora de uma variedade de problemas de saúde, incluindo a Síndrome de Down.

Eles esperam que o teste possa ser acessível para a população, sem ter um preço muito alto (custo médio de 30 libras esterlinas, ou 80 reais atualmente), e minimize problemas que ainda existem em exames desse tipo, como o risco de haver aborto espontâneo.

Este novo exame deve extrair o DNA do feto, no sangue de sua mãe, e facilitar um processo que ainda é muito difícil. Por enquanto, se a mulher grávida quer saber se seu filho terá Síndrome de Down, tem duas opções de procedimentos: a primeira é amniocentese (em que se extrai o fluido da bolsa amniótica, onde o feto fica alojado), que incorre em alto risco de aborto espontâneo mesmo se o feto for saudável. Este novo exame utiliza os mesmos equipamentos do que a amniocentese, com a diferença de retirar sangue ao invés do fluido amniótico.

A outra alternativa é amostra de vilosidades coriônicas (CVS, na sigla em inglês), um procedimento em que se retira um pedaço da placenta. Ambos são complicados e onerosos comparados a esse novo exame. Essa medida pode ser útil não apenas para identificar a Síndrome de Down, mas também algumas graves deformações genéticas, distrofia muscular e hemofilia.

É claro que este procedimento, que começou a ser testado em 2009, pretende detectar tais doenças, mas não pode evitá-las. A vantagem é que este é de fato um teste mais seguro, indolor e barato para que se descubram previamente esses problemas de saúde. A despeito do exame, as crianças nascerão com as deficiências, pelo menos por enquanto. Mas pergunte a uma mulher grávida se ela não acha importante saber isso com antecedência. [Telegraph]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

2 comentários

  • Wanderson:

    Muito interessante saber também que “nasser”se escreve com “sc” e “opsão”com cedilha.No mais,o artigo é uma boa notícia.

  • bruno welber:

    muito interessante ter tal diagnóstico antes da criança nasser, mas…infelizmente tem a opsão de muitas mães preconceituosas apartir de tal informação optar pelo aborto do feto.

Deixe seu comentário!