10 grandes mistérios da ciência

Por , em 8.05.2013

O universo é cheio de mistérios. Apesar dos avanços da ciência em desvendar alguns deles, diversos fenômenos ainda confundem os pesquisadores. Confira dez mistérios científicos que nos deixam intrigados.

Mistérios da ciência

10. Deriva Continental

mistérios da ciência

A teoria da Deriva Continental foi proposta pela primeira vez em 1500, e afirmava que os continentes pareciam flutuar em relação ao outro lado do oceano. Mais tarde, foi refinada na teoria das placas tectônicas, que propõe que existem placas tectônicas no fundo do oceano que lentamente se movem separando os continentes e criando os oceanos ao longo do período de milhões de anos. O mistério, no entanto, é o que causou estas placas e as fez mover-se. Estudos demonstraram que é improvável que a teoria atual realmente explique o fenômeno. Alguns têm sugerido que, devido à natureza inexplicável do funcionamento por trás da teoria e as evidências contra ela, os continentes podem ter sido na verdade separados muito mais rapidamente do que milhões de anos, por um evento catastrófico, como uma inundação.

9. Extinção da megafauna

mistérios da ciência

No passado, havia muitos animais grandes, como o elefante, caminhando sobre a Terra, como o mamute. Esses animais eram chamados de megafauna. No entanto, a maior parte desta megafauna desapareceu apenas recentemente, na faixa de dezenas de milhares de anos atrás, e os cientistas não sabem dizer por quê. Duas respostas principais têm sido sugeridas como a causa: a caça pelo homem e as mudanças climáticas. Aqueles que dizem que o culpado é a mudança climática muitas vezes têm pouca evidência para a hipótese, além de afirmar que não há provas suficientes para outra explicação. Já a teoria da caça tem muito pouca evidência arqueológica. O mistério permanece sem solução.

8. Efeito Mpemba

mistérios da ciência

O efeito Mpemba diz que a água fervida pode, sob certas circunstâncias, não só congelar, mas congelar mais rapidamente do que a água mais fria. Esse fenômeno tem sido relatado desde a Grécia antiga, mesmo que pareça contraditório com as Leis da Termodinâmica. Em 1969, um cientista chamado Ernesto Mpemba fez experimentos que comprovaram que o efeito é real, no entanto, os cientistas ficaram com mais perguntas do que respostas. Muitas soluções têm sido sugeridas como razões para este fenômeno, mas nenhuma foi amplamente aceita.

7. Velocidade da luz

mistérios da ciência

Embora os estudos sobre a velocidade da luz não tenham refutado totalmente a teoria de que ela é o limite, há evidências crescentes de que talvez a viagem mais rápida que a luz seja possível. Algumas pesquisas indicam que a energia escura parece ter um ritmo mais rápido conforme o tempo passa. Cientistas também observaram que, se a teoria do Big Bang estiver correta, o universo se expandiu de maneira mais rápida do que a velocidade da luz quando o cosmos estava em sua infância. Alguns experimentos cuidadosamente controlados até disseram que neutrinos superaram a velocidade da luz, embora esse resultado tenha sido contestado. Enquanto ainda não sabemos como ou por que nós podemos ser capazes de ir mais rápido do que a velocidade da luz, parece que a velocidade no espaço não é tão limitada quanto se pensava anteriormente.

6. Experiências de quase morte

mistérios da ciência

As pessoas têm relatado experiências estranhas quando estão perto da morte por muito tempo. Vários pesquisadores já procuraram testar a “sensação” de estar fora do corpo. Um estudo usou realidade virtual e câmeras, tocando primeiro o corpo virtual projetado e depois o real dos participantes, e então apenas o virtual. As pessoas estavam convencidas de que estavam sendo tocadas, mesmo quando não estavam. A experiência levou os cientistas a acreditar que a capacidade das pessoas de experimentar as coisas em seu corpo depende muito de onde eles acreditam que seu corpo esteja visualmente. Outras pesquisas procuraram compreender experiências de quase morte, estudando-as em um hospital durante vários anos. Esses pesquisadores querem provar se as pessoas estão experimentando ilusões, ou se a sua consciência está realmente “saindo” do corpo (o que tornaria o conceito de “alma” muito mais crível). Um estudo recente, inclusive, descobriu que as lembranças da experiência de quase morte são diferentes de memórias de eventos imaginados, e que as características fenomenológicas eram mais numerosas em memórias dessas experiências do que em memórias de eventos reais – a interpretação dos cientistas é que elas não podem ser consideradas como memórias de eventos imaginados, mas como percepções reais.

5. Pássaros caindo do céu

mistérios da ciência

No Arkansas (EUA), cerca de um ano atrás, um bando de pássaros negros caíram do céu. Na época, fogos de artifício foram considerados culpados, embora esta teoria não tivesse sido bem testada. O problema é que o mesmo fenômeno ocorreu de novo no mesmo lugar, assim como já ocorreu em outros pontos do globo (Jatinga, uma aldeia localizada em um planalto indiano, é famosa devido aos acidentes em massa frequentes que fazem diversas aves se estatelarem no chão), e nem sempre é possível culpar fogos de artifício – ou qualquer outra coisa. Clássico mistério.

4. Ruído espacial

Em 2006, cientistas estavam tentando analisar estrelas primitivas quando se depararam com um problema: um ruído misterioso que atrapalhou o estudo. Eles ficaram perplexos com o barulho, pois sons não podem viajar através do espaço, embora ondas de rádio possam, o que os pesquisadores acreditam que o ruído era. No entanto, eles não têm a menor ideia de onde essas ondas de rádio estavam vindo. O som é seis vezes mais alto do que deveria ser, e não há qualquer explicação para a sua causa. A única coisa que os cientistas sabem é que não é nenhuma onda de rádio que atualmente conhecemos, nem vem de qualquer uma das primeiras estrelas ou partículas de poeira.

3. Ilusão da lua

mistérios da ciência

A “ilusão da lua” é uma ilusão que intriga as pessoas desde tempos passados, de Aristóteles aos antigos gregos e chineses. A lua parece maior em tamanho angular quando está próxima do horizonte que quando está alta no céu. Algumas pessoas julgam que ela parece dobrar de tamanho, mas a estimativa comum é de 50% a 75% maior. Muitos já sugeriram teorias para tal ilusão, como um efeito atmosférico, mas todas foram refutadas. Também já foi dito que o tamanho relativo ou a distância aparente são explicações para essa ilusão, mas, até agora, ninguém, nem mesmo a ciência moderna, tem sido capaz de definitivamente explicar esse fenômeno misterioso.

2. Luz indecisa

mistérios da ciência

Estudos têm argumentado por muito tempo se a luz é uma onda ou uma partícula. No entanto, depois de muita pesquisa, os cientistas parecem ter chegado à conclusão de que as coisas são muito mais confusas do que isso. Estudos parecem mostrar que um fóton pode agir tanto como uma onda quanto como uma partícula, ao mesmo tempo. No entanto, também sugerem que um fóton escolhe ser uma onda ou uma partícula quando forçado a tomar a decisão sob condições controladas. Até agora, os cientistas não têm explicação para dizer como isso funciona. Alguns até já chamaram o fenômeno de “o verdadeiro mistério da Mecânica Quântica”.

1. A origem da vida

mistérios da ciência

A origem da vida e a criação de nosso universo são os maiores mistérios da ciência e têm sido debatidos por muito tempo. O modelo do Big Bang é o mais aceito pela comunidade científica para explicar o início do universo, mas prová-lo empiricamente é muito difícil. Abiogênese, que é a capacidade da vida de surgir a partir de matéria inorgânica, uma forma da vida ter sido criada sem vida anterior, também já foi bastante estudada.

Apesar de uma quantidade incrível de estudo científico sobre o assunto, nada foi provado fora do papel. Cientistas do Grande Colisor de Hádrons, maior acelerador de partículas do mundo, dizem estar mais perto com a descoberta do bóson de Higgs. No entanto, é importante notar que o bóson de Higgs não é o princípio e o fim de tudo. Além disso, muitos que acreditam na teoria da criação inteligente dizem que, mesmo que o Big Bang seja provado, não significa necessariamente que algum “Deus” não esteja envolvido, e não tenha criado o universo e o colocado em movimento através de meios que podem ser observados pela ciência.

A realidade é que nosso universo é enorme e expansivo, e as origens da vida talvez nunca possam ser totalmente compreendidas.[Listverse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (7 votos, média: 4,71 de 5)

46 comentários

  • Sodré Neto Brasil:

    excelente texto

  • Chiago Pallano:

    Vocês aí que sabem tudo, acho melhor saírem deste site e montar um próprio centro de pesquisa, sem perguntas, apenas com as respostas, afinal, parece que vocês já possuem todas. E deixem os leigos como eu, se divertirem com os mistérios, ou não, da ciência. Porque é muito zé ruela tentando dar aula em um lugar só. =)

  • Giovani Raci Paganini:

    Muito bom artigo. O efeito Mpemba me deixou intrigado

  • Ana Luiza Dors Wilke:

    Nada a ver isso aí… Começando pelos oceanos.. No início da formação do nosso planeta toda a água estava na atmosfera e qdo essa condensou, formou nossos oceanos.. Sobre experiência de quase morte, a pouco tempo atrás saiu um estudo que comprovou que isso se deve à atividade cerebral.. Sobre a velocidade da luz, essa história dos neutrinos já foi refutada faz tempo e foi visto que isso foi um erro no GPS usado no experimento.. Sobre o ruído, é o ruído remanescente do big bang, se tu conversar com qq astrofísico ele te explicará direitinho isso.. N tem nada de misterioso.. Sobre a extinção da mega fauna foi causada por mudanças climáticas.. Sobre as placas tectônicas, todo mundo sabe que elas existem e sendo o interior da Terra líquido, nada mais normal do que elas se moverem.. Sobre o tamanho da Lua, isso é ótica pura (pega o Halliday 4 e da uma lida hehehe).. Sobre a “luz indecisa” ja foi comprovado que ela pode se comportar tanto como onda, qto como partícula, e n tem nada de misterioso nisso tb.. A Física explica isso tb.. Sobre a origem da vida, o Big Bang.. E Deus n tem nada a ver com isso (esse é o único que tem algo de misterioso, mas repito que Deus n tem nada a ver com isso..) Os pássaros deve ser algum fenômeno atmosférico e o efeito Mpemba já foi explicado tb..

    • Chiago Pallano:

      Parece que você viu e filmou tudo isso em HD pra ter tanta certeza né? =)

  • Arthur Lins:

    De todos estes supostos mistérios, só a origem da vida para ser relevante.

    • Lucas Adamis:

      Oi? E a dualidade quântica? E o limite da Luz? Se isso não é importante eu não sei a definição dessa palavra.

  • Ícaro Xavier:

    Esse texto de científico não tem nada. Alguns desses itens sequer são mistérios científicos…outros são puro sensacionalismo.

    Por exemplo, o que tem a ver o LHC ou o bóson de higgs com a teoria da origem da vida na Terra?

    Outro exemplo, quer dizer q é mais plausível que uma inundação (digo, dilúvio bíblico) tenha separado os continentes?

    Enfim, lamentável.

  • Renata:

    A resposta pra todas estas questões é 42.

  • Bruno Mocellin:

    Sobre o “ruído espacial”, me ocorreu uma teoria:
    Se no espaço é tudo vácuo, ou seja, não há “ar”, seria esse ruído, o vácuo puxando esse ar restante de algum lugar? pra dentro de um buraco negro quem sabe, causando os “assovios de portas”, pois são contínuos e tem o mesmo tom, tipo quando se brinca com a mão e o aspirador de pó, reduzindo o espaço para o ar passar, quem sabe.

    • Gabriel Souza:

      amigo concordo na hipótese de que seja um deslocamento de ar, mas supor que seja culpa de um buraco negro? ai vc esta forçando tudo! é como se “Einstein terminasse as teorias dele dando gloria a Deus”

      Pense antes de expor uma ideia apesar dela ser parcialmente lógica!

  • WalterZ:

    Calma pessoal. Pega leve.
    Este site não e para especialistas, mas para o publico em geral e acho que o tom esta bom.

    Eu sugiro que os profissionais ou pessoas que são, ou se consideram, muito superior aos demais aqui, que procurem algo de seu nível e não fiquem tripudiando de quem e leigo e vem aqui para aprender. Alias, os que acham quem sabem muito mais que os outros, geralmente só acham.

    Também respeitem a jornalista que esta fazendo o seu trabalho e, dentro de um enfoque Jornalístico, traz assuntos para o debate. Para uma jovem jornalista de 23 anos, ela faz um trabalho muito bom.

    • icarofsx:

      Mas e então meu caro Walter, primeiro que ninguém aqui desrespeitou a jornalista pessoalmente. Como o trabalho dela está à mercê do público, ou seja, em um site público, críticas são normais. Aliás, o anormal neste caso específico, diante dos absurdos desse texto, seria não criticar. Ora, se é notória a falta de cuidado com coisas tão importantes, devemos sim criticar, e não apenas, mas também explicar.

      Segundo que ninguém aq se sente superior a ng, não invente coisas. Se não tem o que falar, fica quieto. O que ocorre é que esse texto é tão absurdo do ponto de vista científico que salta aos olhos. Qq pessoa com o mínimo de noção sobre ciência perceberia os equívocos de cara.

      Neste caso, é dever dos que conhecem o assunto contra-argumentar o que o texto passa, pois a pior coisa se chama desinformação/alienação. E é isso q esse texto tem de melhor: desinformar; deixar as pessoas mais confusas e ignorantes do ponto de vista científico.

      E não, ela não fez um bom trabalho. O fato dela ser novinha não a exime de críticas.

    • WalterZ:

      Não desrespeitou??? Bem se você acha que classificar o trabalho dos outros como excremento não e falta de respeito, imagina então o que seria. Mas não perderei mais meu tempo com isso.

  • Rubens Souss:

    Quanto a extinção da magafauna já vi algumas explicações: a que me lembro bem é a da Arca de Noé.

    • Jean Canelas:

      Você quis dizer dilúvio, né?! A suposta arca foi justamente para salvar as espécies da extinção…

  • kid redman:

    Não entendo como se poderia observar deriva continental em Marte ou Vênus, visto que ambos não têm continentes separados… são feitos de um bloco só, ou seja: não há oceanos para dividir a massa sólida. Vai derivar o quê e pra onde ?
    No caso da Terra, já que seu interior é um sopão de lava não vejo porque as partes duras da sua superfície não devam se mexer naturalmente já que há motivos de sobra para isso, como já foi posto acima.

    • kid redman:

      Putz… errei ! Esse comentário deve ser lido após o Jonatas – lá em baixo.
      Sou “O” distraído ! Desculpem ae !

    • Lucas Noetzold:

      acredita-se que vênus possui núcleo quente também (posso estar desinformado)

    • Lucas Adamis:

      Mas você esqueceu de que Vênus é o planeta mais vulcânico do sistema solar, na verdade o fato dele ter esse titulo se deve a isso, sem as divisões em sua litosfera a pressão não tem por onde escapar fazendo o planeta explodir em erupções colossais em todo o canto. Especialistas alegam que o motivo seria a falta de um oceano para “lubrificar” o fenômeno geológico, mas Vênus e a Terra tem estrutura e componentes muito semelhantes, durante a formação da hidrosfera aqui lá deveria estar ocorrendo coisa parecida, o que interrompeu o processo?

  • Jhonata Ferreira:

    Ilusão da lua Creio que é o mesmo fenomeno que acontece em um asfalto quente, quando voce se abaixa e olha horizontalmente para um asfalto quente tudo se amplia, porque a temperatura do asfalto que sobe funciona como uma lupa. Varios testes provam isso.

    • Maratta:

      Informação equivocada, pois a NASA já esclareceu que ela não muda de tamanho; o tamanho da Lua é apenas uma ilusão. Ela parece maior no horizonte porque normalmente existe algo terrestre – como um prédio – que tem um tamanho desprezível em relação ao tamanho do satélite. Para constatar que são do mesmo tamanho, em um dia que acontecer esse evento mire-a com um objeto (pode ser até com o dedo) e quando ela estiver no alto do céu faça a mesma medição. Perceberá que possui o mesmo tamanho.

  • WalterZ:

    Muitos “mistérios” para comentar…

    O tamanho aparente da Lua não é exatamente um mistério já que pode ser verificado com um telescópio simples acoplado a um PC. http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/2175-7941.2012v29n2p325/22921.
    Em reumo é uma ilusão de ótica. Aliás o mesmo efeito acontece também com o Sol.

    A extinção da megafauna está um pouco, digamos confuso. O que foi extinto há poucos mulhares de anos foi só uma grande parte da megafauna EXISTENTE naquela época. Em que pese existirem dezenas de “MAGADINOSSAUROS”, eles forma extintos a milhões e não milhares de anos.

    Efeito MPEMBA – É uma APARENTE anomalia mas que não tem nada de mistériosa. http://www.rsc.org/mpemba-competition/mpemba-raises-question.asp.
    Basicamente a água mais quente reune as melhores condiçoes de transfrencia de calor e de massa que a água mais fria.

    Quanto a origem da vida, do universo, a natureza quantica e a superação da velocidade da Luz, realmente ainda são grandes desafios. Não diria que são mistérios pois muito sabemos a respeito, mas ainda não o sificiente para um entendimento total.

  • Flaviane VR:

    Excelente essa matéria!

  • Marco Checon:

    Faltou citar outro mistério bem interessante,
    sons que vem de várias partes da terra como nos oceanos, céus e em algumas regiões vastas.
    Alguns lembram desde criaturas enormes e ocultas nos ocenanos profundos a barulhos “metálicos” em áreas desertas e imensas.
    Faltou também citar o famoso sinal “Wow!”, Foi descoberto que o sinal Wow! era proveniente da constelação de sagitário, até hoje não se sabe o que poderia ser o sinal Wow! e ele permanece um dos maiores mistério da humanidade

  • Wesley Leandro:

    Deu a impressão que quem escreveu essa lista estava só querendo ser sensacionalista, muitos dos itens não são “inexplicáveis” como é dito.

  • Wesley Leandro:

    “Alguns têm sugerido que, devido à natureza inexplicável do funcionamento por trás da teoria e as evidências contra ela, os continentes podem ter sido na verdade separados muito mais rapidamente do que milhões de anos, por um evento catastrófico, como uma inundação.”

    A hipotese de inundação (diluvio biblico) só é defendida por criacionistas… e a sua natureza não é inexplicavel, existem explicações só não se sabe qual delas é a melhor.

    • Henrique Telles Dos Santos:

      na decada de quarenta um arqueologo encontrou explicações bem questionaveis sobre esse assunto,por muito tempo o diluvio era considerado apenas,”fantasias”religiosas,mais descobriu-se que a hipoteses bem plausiveis para o caso

  • aguiarubra:

    Anotado!
    É um bom guia para ficar de olho em resultados de pesquisa. Sinto-me confortável em ver que a verdade, em Ciência, é sempre muito relativa à capacidade do ser humano em elucidar questões que são ricas em novos mistérios!!!

  • Raphael Saunders:

    Matéria interessantíssima. Uma explicação que já li para o tamanho da Lua foi de que no horizonte, nós temos objetos “próximos” à Lua, como casas, árvores, que podem ser comparados com ela e nos causar essa percepção mais aguçada, diferente de quando ela estaria no alto do céu, sem objetos “próximos” a ela para compararmos. Porém, não sei se acredito nisso, pois mesmo alta no céu a Lua ainda pode ser vista perto do topo de grandes prédios, por exemplo, e já aparentar estar menor.

  • leopoldino ferreira:

    Pessoas leigas, jornalista, que se metem em assuntos sérios não poderia dar outra coisa. Um desses mistérios, o da natureza dual da luz é aceita pela mecânica quântica desde a década de 1920. Não dê muita credibilidade ao que se escreve nesse sita,sobretudo escrito por essa ” cientista”.

  • Marcos Júnior:

    Teoria da criação inteligente? Criacionismo agora é ciência?

  • Andre Luis:

    Em relação a “Ilusão da Lua”, eu já vi muitas explicações coerentes quanto a este fenômeno. Existem trabalhos mostrando como funciona esta ilusão ótica, inclusive com demonstrações práticas, mostrando que é apenas uma ilusão em nosso cerebro, que faz o objeto parecer maior, próximo a linha do horizonte, sendo uma simples questão de perspectiva.

    • icarofsx:

      Pois é Andre Luis. A explicação existe há tempos. Não sei de onde essa jornalista tirou isso.

    • Osmar Fraga:

      Ícaro, viu a fonte da matéria? Então sabe de onde a jornalista tirou isso.

    • Jhonny:

      Tem algum link pra passar? Gostaria de ler, pois se é uma ilusao do cerebro, como é que na fotografia ela parece ser maior? O cerebro “ve” ela maior tbm em fotografia?

    • Anderson de Souza:

      A questão da Ilusão da Lua é simples de responder. Ela parece maior no horizonte porque temos com o que compará-la como na fotografia. Para mostrar a não diferença de tamanho é simples. Pegue uma folha transparente e desenhe nela o contorno da lua no horizonte, aguarde ela estar mais alta e centralize a folha com o círculo nela novamente e verás que é o mesmo tamanho. A ilusão é possível devido a comparação com o entorno quando ela esta “baixa” no horizonte.

    • leo2505:

      Assistam o vídeo: Mount Victoria Lookout in Wellington, New Zealand

    • Nuno Domingues:

      A ilusão da lua é exatamente isso, uma ilusão de óptica sem base fisica.

      Uma prova disso é que ela aparece do MESMO TAMANHO ao telescópio ou numa foto, independente de estar no horizonte ou no zênite!
      http://sorisomail.com/img/1315657504542.jpg

    • kid redman:

      O jhonny, em fotografia vc vê o que o fotógrafo quer, né ? Me parece que máquinas não têm ilusões… nem de ótica nem de qualquer outro tipo.

    • Lucas Noetzold:

      também se deve ao fato de termos dois olhos (o que amplia o efeito das ilusões de ótica)

  • Lucas Noetzold:

    ruido espacial sinistro

    • kid redman:

      Os antigos já sabiam da “música das esferas” há muito tempo !
      Digite “música das esferas” no Google que vai achar vasto material sobre o assunto.

  • Jonatas:

    Todos são grandes e belos mistérios, vou ficar com o primeiro, que remete a estrutura planetária.
    Dos Planetas telúricos, ou terrestres, a Terra é o único com placas tectônicas, e essas placas abrem fissuras por onde a lava pode escapar várias vezes e renovar a superfície – vulcões numeros e ativos *segundo mundo mais ativo vulcanicamente do sistema solar, perdendo apenas para uma lua de Júpiter, IO – esse fenômeno é diretamente associado a riqueza do solo e assim a origem e manutenção da vida.
    O que podemos fazer com isso é observar os irmãos mais próximos, Marte e Vênus – ambos sem deriva continental, ambos manchados por um vulcanismo monstruoso – diferente dos vários vulcões que emergiram ativos na Terra dissipando a fúria proveniente do interior quente do planeta *isso foi permitido pelas brechas da crosta*, em Marte e Vênus essa fúria se concentrou forçando a crosta sólida e coesa até uma ruptura que originou montanhas vulcânicas sem equivalentes terrestres, como o poderoso Monte Olimpo Marciano, maior vulcão já visto.
    Se compararmos as diferenças entre Vênus e a Terra encontramos uma latente: A Terra é um Planeta Duplo.
    Um Planeta Duplo é um Planeta com uma lua de tamanho significativo em relação ao seu, e esse é nosso caso, a Lua parece pequena por ser 50 vezes menor em volume e 80 vezes menor em massa, mas Júpiter e Saturno tem luas equivalentes em tamanho a nossa, mas muitos milhares de vezes menores que eles – porque eles são gigantescos. Em termos proporcionais, temos a maior de todas as luas entre os Planetas principais – perdendo apenas a asteróides duplos e planetas anões duplos, como Plutão-Caronte, Orcus-Vanth, etc.
    Penso que se considerarmos bilhões de anos de companheirismo, a influência gravitacional da Lua fez mais na Terra do que causar marés, e afetar a crosta é uma delas. Duas razões principais me levam a imaginar isso:
    – Origem de Impacto: Teoria na qual uma catástrofe planetária, colisão entre a Terra e outro Planeta, teria arrancado partes da Terra e do opositor para o espaço formando a Lua. Se essa hipótese recebeu consideração científica para talvez explicar a origem da Lua, pra mim parece perfeitamente aceitável pra explicar a deriva continental da Terra – uma força residual impediu que a crosta se solidificasse totalmente em sua parte externa.
    – Uma observação direta: A Lua se afasta da Terra, isso quer dizer que já esteve mais próxima, exercendo uma influência gravitacional maior que a de hoje.

    Lembrando, o que levanto é só considerações, nem perto de análise muito menos teoria científica. Entendo mais de astronomia do que de geologia, por isso vejo as coisas do ponto de vista do espaço, no entanto, a Lua já tem sido citada em muitos contextos da história da Terra, incluindo na origem da vida.

    • Lucas Noetzold:

      faz sentido, mas creio que isso seja uma regra para um planeta onde os fluidos internos movem-se em rotação empurrando a crosta, teríamos que saber se outros planetas rochosos com nucleo quente (só vênus até onde sei) tem o mesmo sistema de “correntes internas.

    • WalterZ:

      Eu acho que a mesma coisa que mantém as placas tectônicas também criou as placas tectônicas. Ou seja, Terra apresenta uma combinação entre espessura e composição da crosta, “energia térmica” e composição do mento bem como gravidade certas para propiciar a criação e a manutenção das placas tectônicas.

      Claro que o efeito de maré da Lua nos primórdios quando ela estava muito mais próxima da Terra era significativa. Mas hoje ela é, por assim dizer, bem pequena. Em que pese Mercúrio e Venus não terem “luas” há que se considerar que, por eles estarem mais próximos do Sol, a Força de Maré do Sol sobre Venus é maior que a da Lua sobre a Terra. E a Força de Maré do Sol sobre Mercúrio é 3 vezes maior do que a Força de Maré da Lua sobre a Terra. E nem Mercúrio e nem Venus possuem placas tectônicas.

      Por isso, ao meu ver, a Força de Maré da Lua sobre a Terra, tem menos efeito nas placas tectôncias do que as características da crosta (espessura e composição e do manto (Composiçao, espessura e temperatura) bem como a massa da Terra.

      É meu palpite 🙂

Deixe seu comentário!