Como eram as armaduras das mulheres medievais?

Por , em 12.01.2015

Mesmo que não sejam necessariamente historicamente precisas, representações de armaduras usadas pelos homens em ficções históricas tendem a ter pelo menos algum fundamento na realidade, enquanto a armadura das mulheres é muitas vezes representada de uma maneira mais fantástica.

Armaduras decotadas e esculpidas não são práticas e deixam muita área exposta, representando um perigo para as mulheres. Então, essa armadura feminina torneada é uma convenção moderna, ou tem alguma raiz na Idade Média?

Provavelmente, essas armaduras foram totalmente inventadas para criar uma aparência de feminilidade, ou seja, por razões estéticas.
Porém, não podemos culpar essas representações por total imprecisão uma vez que é extremamente difícil dizer como realmente eram as armaduras das mulheres medievais. De acordo com o Metropolitan Museum of Art, quando se trata desta época, não há imagens sobreviventes conhecidas feitas de uma mulher em armadura durante a vida daquela mulher. Isso é verdade mesmo para Joana d’Arc, famosa por ter usado uma armadura encomendada por Charles VII feita sob medida para ela.

Representações infiéis, do começo ao fim

Na época medieval, pinturas e ilustrações retrataram mulheres como amazonas ou a deusa Minerva equipadas com armadura. A virtude da fortaleza é frequentemente representada na arte medieval como uma mulher em armadura. Mas os artistas por trás dessas obras podem nunca ter visto uma mulher vestindo um traje desses com seus próprios olhos – é provável que tenham se baseado em especulações ou tradições artísticas.

Essas tradições às vezes beiravam o absurdo. Por exemplo, como os artistas se recusavam a retratar mulheres ostentando objetos fálicos, como lanças, chegaram a desenhar mulheres em justas (esporte de luta entre dois cavaleiros com armaduras montados em cavalos) empunhando rocas, ferramentas utilizadas para fiar.

armadura2

Mesmo fontes textuais de mulheres vestindo armadura são contaminadas pela perspectiva do escritor. O pesquisador James Michael Illston considera uma narração famosa do historiador bizantino Niketas Choniates de mulheres guerreiras durante a Segunda Cruzada que as descreve cavalgando “como homens”, carregando “lanças e armas como os homens; vestidas em trajes masculinos, que transmitiam uma aparência totalmente marcial, mais masculinizada do que as amazonas”.

Illston propõe que essa descrição não é necessariamente factual, mas sim tem intenção de retratar os francos como incivilizados, um povo que permitia até que suas mulheres fossem para a batalha como homens.

Michael R. Evans observa um problema semelhante em escritores cristãos. Mencionar mulheres armadas lutando ao lado de homens nas Cruzadas refletia negativamente sobre os cruzados. Por outro lado, escritores muçulmanos em algumas ocasiões inventaram lendas de mulheres que lutavam para os cristãos pela mesma razão. Sendo assim, muitos pesquisadores aconselham cautela ao ler essas histórias de guerreiras.

A mulher medieval na guerra

No entanto, nós sabemos que as mulheres durante a Idade Média participaram de fato de guerras e, em alguns casos, lideraram exércitos. Além disso, algumas vestiram armaduras, mesmo em períodos em que isso estava intimamente associado à masculinidade.

Por outro lado, como muitos homens, muitas mulheres lutaram sem o benefício de armaduras caras. E mulheres que usaram armaduras na qualidade de comandantes militares e estrategistas não receberam um único golpe no campo de batalha.

Um exemplo particularmente incomum de mulheres que lutaram na Idade Média vem do século 12 na Catalunha. Em 1149, as mulheres da cidade de Tortosa se vestiram com roupas de homens e usaram tudo o que estava disponível para lutar contra invasores mouros. Diz-se que Raymond Berenger IV ficou tão impressionado com a coragem dessas mulheres que estabeleceu a Ordem da Machadinha, dando a elas certos privilégios semelhantes aos de cavaleiros, como isenção de impostos.

Mas o caso dessa Ordem não é a norma para as mulheres que participaram de conflitos armados. Megan McLaughlin em seu ensaio “The Woman Warrior: Gender, Warfare and Society in Medieval Europe” (algo como “A Mulher Guerreira: Gênero, Guerra e Sociedade na Europa Medieval”) observa que era muito mais comum para as mulheres se envolverem em guerras em situações de emergência, participando de cercos e comandando tropas na ausência de maridos e pais.

Há poucas guerreiras e comandantes de carreira entre as classes nobres durante a Idade Média: Aethelflaed, a filha de Alfred, o Grande de Wessex, que se juntou a seu irmão Edward em sua campanha para forçar os escandinavos para fora da Inglaterra; Sichelgaita, uma princesa da Lombardia que vestiu uma armadura e liderou tropas no cerco de Durazzo em 1081; e Petronilla de Grandmesnil, que participou da rebelião contra o rei Henrique II ao lado do seu marido, Robert de Beaumont.

Relatos de mulheres guerreiras se tornam ainda mais raros no fim da Idade Média, quando a guerra se torna uma coisa mais preparada, envolvendo exércitos e ordens treinadas. O aumento organização militar deu às mulheres menos oportunidades de participar na batalha como comandantes ou combatentes.

No entanto, menos oportunidades não é igual a zero oportunidades. Notoriamente, a Guerra dos Cem Anos nos deu mulheres como Joana d’Arc e Jeanne de Penthièvre.

Mas, mesmo durante períodos em que as mulheres pegaram em armas, a guerra foi considerada uma ocupação firmemente masculina, o que influenciou tanto o que as mulheres usavam na batalha como a maneira com a qual suas roupas foram retratadas pela mídia popular, às vezes de maneiras muito diferentes da realidade.

Descrições de armadura feminina

Historiadores medievais repetem com certa frequência que as mulheres de armadura eram a exceção e não a regra. Mulheres blindadas são descritas quase universalmente como amazonas. Outro conceito bem consolidado é que estas mulheres são masculinas em sua aparência quando usando armaduras. Não é surpreendente, dado que armas e armaduras e, mais tarde, a cavalaria eram todas consideradas da esfera quase exclusiva dos homens.

Parece que as mulheres usavam a mesma coisa que seus maridos e irmãos. A Ordem da Machadinha, como foi mencionada anteriormente, lutou vestindo roupas masculinas – as guerreiras usavam qualquer armadura que podiam encontrar.

Mulheres guerreiras são geralmente descritas vestindo malha e correntes que protegiam seus braços, tronco e coxas. O historiador anglo-normando Jordan Fantosme contou que quando Petronilla de Grandmesnil foi capturada durante a rebelião contra o rei Henrique II, “carregava uma espada e um escudo”. Descrições dessas mulheres usando capacetes também existem.

armadura3

Mas não Joana D’Arc. Os poucos relatos de sua armadura indicam que ela não usava qualquer adorno, nem mesmo a flor-de-lis que a atriz Leelee Sobieski utilizou quando a interpretou. E, embora a armadura de Joana tenha sido projetada pensando em praticidade, é importante lembrar que ela serviu como um símbolo e uma estrategista militar, não uma guerreira em campo de batalha.

No geral, apesar de relatos históricos de mulheres em lutas se vestindo como homens ou, pelo menos, com armaduras masculinas, guerreiras feminizadas não é apenas uma convenção moderna. Mesmo na Europa Medieval, autores de romances tinham dificuldade em retratar as mulheres tanto blindadas quanto femininas. Assim, algumas foram descritas como “homens” enquanto vestiam armadura, revertendo à condição de mulher só depois de sua morte. Histórias de mulheres disfarçadas de cavaleiros homens também eram populares. Só depois que derrotavam seus adversários e tiravam suas armaduras é que revelavam seu gênero. [io9]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 4,25 de 5)

1 comentário

  • Jackeline Krauser:

    Uma rápida correção, a Joana D’Arc usou sim uma bandeira com um desenho de uma flor de lis quando ela fez a jornada até Chinon.

Deixe seu comentário!