Tecnologia: 10 sci-fi que nos deixam mais perto da imortalidade

Por , em 10.06.2014

A tecnologia está cada vez mais a serviço da saúde humana.

A expectativa de vida só tem aumentado no mundo, graças aos nossos avanços na medicina e no conhecimento do corpo humano. Erradicamos doenças, descobrimos tratamentos eficazes, aperfeiçoamos cirurgias etc.

De agora em diante, as coisas só devem ficar melhores – e mais estranhas. Conforme os humanos se aproximam de algo como a imortalidade, as tecnologias inventadas soam como se tivessem sido arrancadas diretamente do reino da ficção científica.

Confira:

10. A tecnologia da Fábrica de Sangue

tecnologia fábrica de sangue

Sangue é essencial para saúde. Não podemos ficar sem ele. No entanto, há dois problemas principais com transfusões de sangue atualmente: o primeiro é que o sangue tem que ser doado por outras pessoas, o que pode levar à escassez. O segundo é que todo mundo tem um tipo de sangue diferente, e receber o tipo errado pode levar a uma variedade de complicações terríveis e à morte.

A ciência conseguiu resolver estas duas questões ao fabricar células vermelhas de sangue do tipo O, o tipo universal que pode ser dado a qualquer pessoa sem problemas imunológicos. Esta é a primeira vez que o sangue foi criado em laboratório, e poderia levar ao fim das doações e ao início da produção industrial de sangue.

9. Órgãos cultivados em laboratório

9
Outra coisa essencial para a vida que sofre dos mesmos problemas que o sangue são os órgãos. Por que não fabricá-los também, então? Já estamos fazendo isso.

Vários órgãos estão sendo cultivados em laboratório e impressos em 3D. Eles não só possuem aparência anatomicamente correta, bem como funcionam normalmente. Por enquanto, “apenas” vaginas e narinas foram transplantadas de forma segura em seres humanos, sem efeitos secundários adversos. Mas muitos outros avanços estão a caminho.

8. Reversão de paralisia

8
Lesões na medula espinhal estão entre as aflições mais devastadoras sofridas pela humanidade. A medula espinhal transporta informações para todas as partes do corpo, de forma que lesões nesta área muitas vezes levam à paralisia.

No passado, havia pouca coisa a ser feita para ajudar vítimas de tais lesões. Agora, como resultado de uma pesquisa inovadora sobre o papel dos impulsos elétricos no tecido nervoso da coluna vertebral, cientistas foram capazes de recuperar o movimento voluntário de pessoas que deveriam ficar paralisadas pelo resto da vida.

No experimento, pacientes puderam mover partes do corpo previamente inativas, após receber impulsos eléctricos nas medulas espinhais. Quando combinada com a fisioterapia tradicional, a melhoria se tornou ainda maior, dando esperança a centenas de milhares de pessoas na mesma situação em todo o mundo.

7. Reversão de envelhecimento

7
Um grupo de cientistas descobriu uma substância química no sangue de jovens que poderia ter um impacto significativo em reverter alguns dos efeitos da velhice. Não é a mesma coisa que os cremes antienvelhecimento que todos nós sabemos que não funcionam: três grupos separados de pesquisa chegaram às mesmas conclusões em seus experimentos, feitos com camundongos.

Transfusões de sangue de ratos jovens reverteram a deterioração da memória relacionada à idade, a função do cérebro, a força muscular e a resistência em animais mais velhos. Dois dos grupos ainda afirmaram ter identificado o exato produto químico responsável por esse efeito. Uma vez que os estudos foram feitos em ratos, não sabemos se essa substância também fará milagres em pessoas, mas ensaios clínicos devem começar dentro de alguns anos.

6. Sistema eletrônico corporal

6

A medicação é uma parte extremamente importante da saúde de muitas pessoas, e esquecer de tomá-la pode ser perigoso e até mesmo fatal. Apesar de alguns acharem a tecnologia assustadora demais, já existe um sistema eletrônico que acompanha o bem-estar das pessoas a partir de dentro. Sensores minúsculos e um adesivo de pele ficam “de olho” em você, certificando-se de que não perca nunca o horário de um comprimido.

Monitoramento constante não é a única vantagem do aparato. O sistema também pode acompanhar a resposta do seu corpo aos medicamentos, oferecendo dados que você e seus médicos podem usar para acessar como seu corpo está reagindo a um tratamento, bem como para corrigir qualquer problema com rapidez.

5. Coração animal

5
A assassina número um do mundo é a doença cardíaca. Infinitas pessoas morrem a cada segundo no globo por conta de problemas no coração. Não é como se tivéssemos um órgão substituto para ser usado no caso de defeito, mas a ciência está trabalhando muito nisso.

Recentemente, pesquisadores conseguiram transplantar um coração de porco geneticamente modificado em um babuíno. O órgão funcionou perfeitamente por mais de um ano. Este estudo oferece esperança de um dia os animais nos fornecerem um suprimento suficiente de corações (e outros órgãos) para transplante, aumentando nossa expectativa de vida.

4. Recuperação de movimentos pós-derrame

4
Derrames são terríveis e muitas vezes mortais. Só no Brasil, em 2010 foram registradas 99.159 mortes. Dos que sobrevivem, muitos ficam com sequelas às vezes irreversíveis. Os pacientes se tornam incapazes de realizar tarefas básicas, o que afeta muito a sua qualidade de vida.

Anteriormente, haviam poucas opções de tratamento para estas pessoas. Agora, os cientistas usaram um novo método revolucionário para tratar essas deficiências, ao injetar células-tronco no cérebro dos afetados, conseguindo restaurar sua capacidade de mover os membros e realizar ações antes impossíveis.

3. Impressão de coração

3
falamos sobre criar órgãos, e sobre a importância de termos corações substitutos. Por isso, um grande ramo de pesquisa na saúde foca em como imprimir corações funcionais 3D.

Um grupo da Universidade de Louisiana (EUA) está avançado nesse quesito. Eles utilizaram células de gordura e colágeno para imprimir componentes funcionais do coração humano. Como um avião, os pesquisadores disseram que o coração é uma máquina complexa que precisa ser montada em partes antes delas serem combinadas, por isso eles não podem simplesmente imprimir um coração inteiro. No entanto, devemos ter um órgão artificial completo em 10 anos.

2. Membros biônicos

2
Desde que os primeiros ciborgues apareceram na ficção científica, os cientistas têm procurado uma maneira de criar partes do corpo biônicas. Fazer isso melhoraria enormemente a vida de pessoas com membros amputados, e agora parece que finalmente temos uma prótese com resultados incríveis: o braço robótico DEKA, controlado por impulsos do cérebro.

Criado pelo mesmo homem que inventou o Segway, o braço pode realizar tarefas delicadas como fechar um casaco, segurar um ovo sem quebrá-lo, ou abrir uma porta trancada usando uma chave, tarefas que mesmo pessoas com braços totalmente intactos parecem ter dificuldade às vezes. O braço biônico também é muito adaptável, tornando-se uma opção para pessoas que foram amputadas no ombro, no meio do braço ou no fim do braço. Infelizmente, aqueles com apenas a mão ou o pulso amputados não podem se beneficiar da tecnologia ainda.

1. Animação suspensa

1
Esta tecnologia é tão estereotipadamente sci-fi que os pesquisadores envolvidos na sua pesquisa não gostam de chamá-l de animação suspensa. Um dos principais cirurgiões do hospital onde a técnica está sendo desenvolvida prefere chamá-la de “preservação de emergência e reanimação”.

Basicamente, o sangue do paciente é substituído por uma solução salina muito fria, o que cria uma espécie de hipotermia induzida, reduzindo toda a atividade celular a quase nenhuma. Em outras palavras, é como “desligar” os sistemas vitais do corpo, dando aos cirurgiões mais tempo para resolver o problema do paciente antes que ele morra. De acordo com o homem que inventou o procedimento, Peter Rhee, os pacientes não estão necessariamente vivos durante o procedimento, mas também não estão mortos.

Em 2000, Rhee demonstrou a eficácia de sua técnica em porcos. Os animais sofreram hemorragias maciças antes de serem suspensos, foram tratados e mais tarde “trazidos de volta à vida”. Na maioria dos casos, os corações dos porcos começaram a bater de novo por conta própria, sem perda de função cognitiva ou física. Agora, Rhee e sua equipe estão esperando pelo candidato humano perfeito para testar a tecnologia em pessoas. “Depois que fizemos essas experiências, a definição de morte mudou”, diz Rhee. [Listverse, CriaSaude]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

2 comentários

  • A.S.S.:

    A minha espécie usou essa “animação suspensa” para chegar na Terra sem envelhecer.

    • Mikael Rocha:

      Opa, Sejam Bem vindos!!

Deixe seu comentário!