Temerosos aracnídeos: fatos e tipos de aranhas

Por , em 20.08.2012

O que você sabe sobre aranhas? Que elas são monstros dos quais você quer ficar muito longe? Bom, é um pouco mais complexo que isso.

As aranhas constituem a maior parte da família dos aracnídeos, grupo que também inclui escorpiões e carrapatos. Há muitos tipos diferentes de aranhas: cerca de 40.000. E elas não são bichos novos em circulação pelo globo: aranhas fossilizadas já foram encontradas em rochas que datam do período Carbonífero, 318 milhões de anos atrás.

Saiba mais sobre esses animais “terríveis”:

Toda aranha é…

Aranhas são animais predadores. Todas têm oito patas e órgãos para tecer seda nas extremidades traseiras de seus corpos. Também, todas têm a capacidade de morder e quase todas são venenosas: elas podem injetar veneno com capacidade de matar ou imobilizar presas. Elas também podem ter vários olhos, o que com certeza não as ajuda a parecerem menos hostis.

Onde vivem as aranhas?

Má notícia: em todos os lugares. Elas podem estar em casas, nas zonas rurais, em ambientes quentes, frios… Existem espécies de aranhas em todos os continentes, exceto na Antártida. Então, se quiser fugir delas, vai ter que se isolar bastante.

Como as aranhas se alimentam?

Esses animais geralmente comem insetos. As aranhas capturam suas presas utilizando uma variedade de métodos. Elas podem comer pequenos insetos que ficam presos em suas teias pegajosas, ou usar suas habilidades de detecção de vibração para perseguir presas, etc.

O estômago das aranhas é muito estreito para comida sólida, então elas “liquidizam” (tornam líquidos) seus alimentos inundando-os com enzimas digestivas e moendo-os com seus apêndices.

Mordida de aranha

Como dissemos, todas as aranhas podem morder. O que você provavelmente não sabe é que a maioria delas (mesmo as venenosas)
não nos faz mais mal do que uma picada qualquer de abelha ou mosquito.

E mais: a maioria das aranhas que tem uma mordida fatal para nós é muito tímida e só ataca se se sentir ameaçada. No século 20, apenas cerca de 100 mortes por picadas de aranha foram registradas.

O veneno de aranha trabalha em um de dois princípios fundamentais: ou ataca o sistema nervoso, ou os tecidos em torno da picada. Ambos os métodos podem destruir órgãos em casos extremos.

Os pesquisadores estão investigando novos usos para venenos de aranha. Eles podem servir para muitas coisas, de alternativa “ecoamigável” para pesticidas a tratamentos para mal de Alzheimer, arritmia cardíaca e acidentes vasculares cerebrais (derrame). Além do veneno, a seda da aranha também tem muitos usos de engenharia, de armaduras a comunicações ópticas.

Subordens de aranhas

As aranhas, que compõem a ordem Araneae, são divididas em três subordens: Mesothelae, Mygalomorphae e Araneomorphae.

Mesothelae: são as aranhas pequenas, descendentes dos tipos mais antigos de aranhas. Seus parentes residem no sudeste da Ásia, China e Japão. Elas vivem em tocas forradas de seda, e não têm glândulas de veneno, embora tenham um mecanismo que expressa veneno através de suas presas.

Mygalomorphae: estas são as aranhas geralmente grandes e peludas, como as tarântulas. Elas vivem em tocas subterrâneas, e podem predar criaturas tão grandes quanto sapos, lagartos e caracóis. Algumas espécies constroem teias, mas isso não é muito comum. Embora a maioria das aranhas viva, no máximo, dois anos, muitas dessas aranhas podem viver até 25 anos em cativeiro. As maiores tarântulas tem comprimento de perna de até 25 centímetros.

Tarântula

Araneomorphae: estas são as aranhas mais comuns, formando mais de 90% de todas as espécies. Elas constroem teias e tem presas em forma de “quebra-cabeça”, em vez de presas paralelas, como das Mygalomorphae.
Algumas das espécies mais interessantes incluem a única aranha conhecida vegetariana, a Bagheera kiplingi, bem como a aranha mais venenosa do mundo, a armadeira (também conhecida como aranha-macaco ou aranha-de-bananeira), uma aranha brasileira (para nossa sorte) encontrada na América do Sul. Ela só precisa injetar 6 microgramas de seu veneno para matar um rato de 20 gramas, e sua carga de veneno total é mais do que dez vezes isso. Pessoas já morreram de uma picada dessa aranha mesmo após terem tomado antiveneno.

Armadeira

Aracnofobia

Os seres humanos sempre tiveram uma relação tumultuada com essas criaturas. Aracnofobia, ou medo de aranhas, é uma das fobias mais comuns entre nós: estatísticas mostram que 50% das mulheres e 10% dos homens têm tal medo.

Mas, se elas geralmente não nos fazem mal, de onde vem tal fobia? Os biólogos evolucionistas acreditam que o medo de aranhas modernas pode ser uma forma exagerada de uma resposta instintiva que ajudou os primeiros seres humanos a sobreviver. Outros estudiosos também pensam que esse medo começou na Idade Média, quando as aranhas se tornaram “bode expiatório” para epidemias inexplicáveis na época, como a peste.

Ciência à parte, acho que no Brasil esse medo é um pouco mais fundado: nós temos a aranha mais venenosa do mundo, e reza a lenda que metade dos casos de mordida de aranha notificados no Brasil são obra da dita cuja.

Aranhas famosas

Aranhas-caranguejeiras: essas são as maiores aranhas que existem na Terra. Ela tem vinte centímetros de diâmetro, incluindo as pernas. As caranguejeiras, embora amedrontem pelo tamanho, são aranhas relativamente inofensivas: possuem pelos urticantes que podem provocar reações alérgicas numa pessoa, mas é só.

Caranguejeira

Armadeiras: são as já comentadas aranhas supervenenosas. Elas são muito agressivas e podem saltar sobre as suas vítimas. Vivem entre bananeiras, terrenos baldios e podem entrar nas residências, escondendo-se em lugares mais escuros. A sua picada causa dor local e pode provocar vômitos, diarreia, queda da pressão arterial, convulsões e morte.

Aranha-marrom: este tipo de aranha tem hábitos noturnos e vive entre folhas secas, cascas de árvores e também pode entrar nas residências, escondendo-se em lugares mais escuros. A sua picada não é muito dolorida, mas seu veneno é muito perigoso, pois pode provocar grandes feridas, febre, vômitos e, nos casos mais graves e raros, destruir os glóbulos vermelhos do sangue, causar anemia, comprometer as funções do fígado e até levar à morte.

Aranha-marrom

Viúva-negra: esta aranha vive em vegetação rasteira e em barrancos. A sua picada causa dor local, cãibras, calafrios, alterações no ritmo respiratório e cardíaco e problemas renais. Para nossa sorte, é rara no Brasil. Mas existe um tipo mais comum na América, a viúva-negra-americana (Latrodectus mactans), de um preto brilhante com mancha vermelha.[LiveScience, PortalBrasil]

Viúva-negra-americana

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

10 comentários

  • Gustavo Lacerda Souza:

    Eu sou muito aracnofóbico não consigo olhar as imagens só de pensar em armadeira já fico com calafrios cãibras etc ai meu deus

  • Matheus Maia:

    Legal ! Ja Sou Criado de Uma Pequena Aranha :3 Gostei de saber sobre elas

  • William Tavares:

    Começo a ler a matéria e levanto os pés do chão.

    • Gustavo Lacerda Souza:

      Eu também

  • 蒜山 カロル:

    Adorei saber mas sobre a caranguejeira e a viúva negra
    ^_^

  • Ramon De Souza Vieira:

    Muito interessante, agora quero ir pra Antártida kkk

  • Andre Luis:

    Em certas épocas do ano, na minha casa aparecem aquelas pequenas aranhas avermelhadas, que ficam penduradas na teia o dia todo. Também aparecem muito aquelas chamadas “papa-moscas”, que tem muita agilidade em seus movimentos. Alguém sabe se essa aranha avermelhada é comum em residências?

    • Damaris Monteiro:

      em épocas mais quentes como no verão é comum encontra-las em nossas residências.
      são animais que facilmente são predados por isso em épocas mais quentes do ano vão morar em nossas residências.

  • Murilo Mazzolo:

    Não tenho Aracnofobia… mas ler essa matéria me deixou cabreiro demais!! kkkkkkk

  • Gabriel Zambon:

    Quando eu leio um artigo como esse percebo claramente quanto sou aracnofóbico, mal consigo olhar as imagens. Mais legal ainda é pensar quanta armadeira tem por aqui.

Deixe seu comentário!