Cientistas dizem conseguir prever o rosto de uma pessoa através de seu DNA e criam polêmica

Por , em 15.09.2017

Um artigo que afirma ser capaz de prever o rosto de uma pessoa a partir de seu genoma criou polêmica entre os especialistas nesta semana. Uma tempestade de críticas choveu sobre o artigo do pioneiro da sequenciação do genoma, Craig Venter, que afirma poder predizer os traços físicos das pessoas baseado apenas em seu DNA. Os revisores e até mesmo um co-autor do artigo dizem que ele exagera a capacidade de usar os genes de uma pessoa para identificar o indivíduo, o que poderia gerar medos desnecessários sobre a privacidade genética.

Estas características do seu rosto denunciam se você é rico ou pobre: estudo

No artigo, publicado em 5 de setembro na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), Venter e colegas de sua empresa Human Longevity, Inc. (HLI), com sede em San Diego, nos EUA, sequenciaram todos os genomas de 1.061 pessoas de diferentes idades e origens étnicas. Usando os dados genéticos, juntamente com fotografias 3D de alta qualidade dos rostos dos participantes, os pesquisadores usaram uma abordagem de inteligência artificial para encontrar pequenas diferenças nas sequências de DNA, chamadas SNPs, associadas a características faciais como a altura do osso da face. A equipe também procurou por SNPs que se correlacionaram com outros fatores, incluindo a altura, o peso, a idade, as características vocais e a cor da pele de uma pessoa.

A abordagem identificou corretamente um indivíduo de um grupo de dez pessoas selecionadas aleatoriamente do banco de dados da HLI em 74% das vezes. As conclusões, de acordo com o documento, sugerem que as agências de aplicação da lei, cientistas e outros que manipulam genomas humanos devem proteger os dados cuidadosamente para evitar que as pessoas sejam identificadas apenas pelo seu DNA.

Exagero?

Mas outros geneticistas, depois de estudar o artigo, dizem que, em sua opinião, a reivindicação é muito exagerada. “Eu não acho que este artigo levanta esses riscos, porque eles não demonstraram habilidade para individualizar essa pessoa pelo DNA”, diz Mark Shriver, antropólogo da Pennsylvania State University no University Park. Em um grupo selecionado aleatoriamente de dez pessoas – especialmente um escolhido de um conjunto de dados tão pequeno e diversificado quanto o HLI – a idade, o sexo e a raça descartam a maioria dos indivíduos, diz ele.

Para demonstrar isso, o biólogo computacional Yaniv Erlich, da Universidade de Columbia, em Nova York, analisou os dados de idade, sexo e etnia do artigo da HLI. Em um estudo publicado em setembro, ele calculou que conhecer apenas esses três traços era suficiente para identificar um indivíduo de um grupo de dez pessoas no conjunto de dados da HLI em 75% das vezes. Erlich afirma que não havia necessidade de saber nada sobre os genomas das pessoas. Além disso, ele diz, as reconstruções da HLI da estrutura facial dos SNPs não são altamente específicas – elas tendem a parecer tanto com um indivíduo quanto qualquer pessoa do sexo e da raça dessa pessoa.

Antes de ser publicado no PNAS, o artigo tinha sido submetido à revista Science, diz Shriver, que analisou o artigo para essa revista. Ele diz que os dados reais da HLI são sólidos, e ele está impressionado com o novo método do grupo de determinar a idade ao sequenciar as extremidades dos cromossomos, que se encurtam ao longo do tempo. Mas ele diz que o artigo não demonstra que os indivíduos podem ser identificados pelo DNA, como afirma. “Eu acho que é totalmente deturpado o que eles fizeram e o que eles encontraram”, diz ele.

Análise de DNA revela rosto de um humano primitivo

A HLI diz que seu artigo afirma que o uso de múltiplos parâmetros, do qual o rosto de uma pessoa é apenas um, para identificar alguém, é possível com base no trabalho com mais de mil genomas. “Ele anuncia que a previsão se tornará cada vez mais precisa”, diz Heather Kowalski, porta-voz da HLI. A HLI afirmou que está em conformidade com a metodologia e reconheceu que o conjunto de amostras era pequeno. A empresa publicou sua resposta ao artigo de Erlich em 11 de setembro.

Shriver diz que ele e Erlich apontaram suas preocupações para os autores do estudo em suas análises do artigo para a Science. Tanto Shriver quanto Erlich dizem que a revista no fim rejeitou o artigo (a Science não faz comentários sobre estudos não publicados). O documento foi então submetido a PNAS sob uma opção que permite que um membro das Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina dos EUA, como Venter, escolha os revisores. Dois deles são especialistas em privacidade da informação e o revisor é um bioeticista.

A PNAS confirmou que Venter escolheu os três revisores para o estudo. A HLI recusou-se a comentar o processo de revisão do PNAS para o documento.

Privacidade

Jason Piper, biólogo computacional e co-autor do artigo, que agora trabalha na Apple, em Cingapura, concorda que o documento representa erroneamente as descobertas que ele e os outros co-autores produziram. Piper acrescenta que seu contrato com a empresa renunciou ao seu direito de aprovar o manuscrito antes dele ser submetido, permitindo que a HLI apresentasse seus dados quando julgasse oportuno. A HLI respondeu ao confirmar que “os autores tiveram a oportunidade de rever e comentar o documento”.

Piper criticou o artigol fortemente no Twitter e diz que, na opinião dele, o HLI tem um potencial conflito de interesse no incentivo ao acesso restrito a bancos de dados de DNA. A HLI, uma empresa com fins lucrativos, está tentando construir o maior banco de dados de informação genética humana do mundo.

“Eu acho que a privacidade genética é muito importante, mas a abordagem que está sendo tomada é errada”, diz Piper. “Para obter mais informações do genoma, as pessoas têm que compartilhar”. Uma abordagem mais útil, diz ele, seria encontrar uma maneira de tornar os dados genômicos públicos sem permitir que os indivíduos fossem identificados.

Cientistas ganham autorização para editar DNA de embriões humanos

Em resposta às críticas do artigo, a empresa respondeu com uma declaração dizendo que “a HLI está de acordo com a proteção dos dados do genoma e a promoção de soluções modernas para o intercâmbio de dados”. Acrescentou que o documento teve como objetivo estimular a discussão sobre como compartilhar informações genéticas, protegendo a privacidade de uma pessoa.

Ainda assim, Erlich está preocupado com o fato de que a fama de Venter dá ao jornal um peso extra aos olhos dos formuladores de políticas, que podem ficar excessivamente preocupados com a privacidade do DNA. “Novas regras e regulamentos baseiam-se em documentos como esse”, diz ele. “É importante quando lidamos com os riscos de privacidade obter os fatos corretos”. [Nature]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!