Falar outra língua afia o ouvido e aguça a atenção

Publicado em 3.05.2012

Segundo uma pesquisa da empresa de contratações e vagas Catho Online, feita em 2009 com mais de 16.000 entrevistados, a grande maioria dos brasileiros ainda não domina o inglês, uma língua muito falada no mundo todo que virou praticamente pré-requisito para conseguir um bom emprego.

Os dados mostram que somente 24,5% dos brasileiros falam fluentemente, ou pelo menos num nível considero “bom”, o inglês.

Mas está na hora desses números mudarem. E não só porque pode ajudar os brasileiros a conquistarem melhores posições no mercado de trabalho, mas porque falar uma segunda língua, seja ela qual for, pode melhorar o sistema nervoso auditivo e, consequentemente, a atenção e a memória das pessoas.

A especialista em bilinguismo Viorica Marian e a neurocientista auditiva Nina Kraus, em um estudo da Universidade Northwestern, EUA, pesquisaram como falar duas línguas influenciava o cérebro das pessoas.

Elas analisaram 23 adolescentes que falavam inglês e espanhol e 25 adolescentes que falavam apenas inglês, e descobriram que o bilinguismo pode promover alterações benéficas na codificação fundamental do som no tronco cerebral.

Em um ambiente quieto, sem muitas interferências sonoras, os dois grupos tinham basicamente o mesmo desempenho. Já com barulho de fundo, os cérebros dos bilíngues foram bem melhores em codificar frequências fundamentais dos sons da fala, o que foi associado com vantagens em atenção auditiva.

“Bilíngues são malabaristas naturais, que automaticamente prestam maior atenção aos sons relevantes contra os irrelevantes. Ao invés de promover confusão linguística, o bilinguismo promove melhor ‘controle inibitório’, ou a capacidade de escolher os sons da fala relevantes e ignorar os outros”, explica Marian.

“O bilinguismo serve como enriquecimento para o cérebro, e tem consequências reais quando se trata de função executiva, especificamente atenção e memória de trabalho”, disse Kraus.

Além desses benefícios, outros estudos mostram uma segunda vantagem do bilinguismo: cérebros bilíngues são mais protegidos contra o mal de Alzheimer. Bilíngues com os mesmos danos que outros pacientes chegam a ser diagnosticados com a doença até quatro anos mais tarde.

Parece que exercitar o cérebro com uma língua diferente da sua nativa tem muitos benefícios de saúde, não? Então, que tal aprender uma nova língua? Apesar de existirem estudos que afirmam que alguns são melhores do que outros para aprender novas linguagens, muitas pesquisas deixam claro que idade não é desculpa para deixar de aprender uma segunda língua. Let’s go![ScienceDaily, JB, Foto]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

5 Comentários

  1. “Os dados mostram que somente 24,5% dos brasileiros falam fluentemente, ou pelo menos num nível considero “bom”, o inglês.”

    Como? Já vi dados que mostram que não passam de 4%. Alguém aí acha que quase 1/4 dos brasileiros fala inglês. Saber umas 300 palavras, tudo bem, mas manter uma conversa é outra história.

    Thumb up 19
  2. Então aprender outras linguas tras vários beneficios! Eu preciso estudar mais inglês!

    Thumb up 3
  3. e hoje com a expanssão da internet é excencial você dominar a lingua inglesa, pois as vezes se digita respostas, sem saber seu conteúdo.

    Thumb up 0
  4. Existem outras coisas que causam essas reações no cérebro como a música, a literatura e as artes plásticas, isso se você praticar com profundidade por se tratar de liguaguens, assim como falar outra lingua, principalmente a música, é como uma outra lingua, extremamente rica, complexa e abstrata… Recomendado!

    Thumb up 13

Envie um comentário

Leia o post anterior:
284.1
Pular o café da manha aumenta o risco de diabetes?

Conheça os benefício...

Fechar